Tagged: Igreja Episcopal RSS

  • SNIEAB 12:00 on 12/09/2014 Permalink | Responder
    Tags: , Igreja Episcopal, JUSTIN WELBY BRAZIL, PARÓQUIA DA SANTÍSSIMA TRINDADE   

    Registro de Fotos da Visita do Arcebispo Justin Welby ao Brasil 

    Acesse na nossa página no facebook o registro oficial da IEAB com as fotos dos momentos mais importantes da Visita do Arcebispo de Cantuária, Sua Graça Justin Welby, ao Brasil.

    Agradecemos a todos que puderam partilhar conosco as fotografias.

    ÁLBUM DE FOTOS DA VISITA DO ARCEBISPO JUSTIN WELBY AO BRASIL

     
  • SNIEAB 15:17 on 22/10/2013 Permalink | Responder
    Tags: , Igreja Episcopal   

    IEAB Participa de Audiência Pública no Senado 

    Aconteceu no Senado, dia 17 de outubro pela manhã, a Audiência Pública sobre a implementação da Convenção 169, sobre os Direitos Fundamentais dos Povos Indígenas e populações tribais, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da qual o Brasil é signatário. Essa audiência foi um pedido do FEACT Brasil (Fórum Ecumênico ACT Brasil), do qual o CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs) é referencia neste período.

    Convenção 169 da OIT, da qual o Brasil é signatário, prevê em seu artigo 6º a consulta livre, prévia e informada dos povos interessados, “através de suas instituições representativas, cada vez que sejam previstas medidas legislativas ou administrativas suscetíveis de afetá-los diretamente”. Determina ainda que as consultas deverão ser “efetuadas com boa fé e de maneira apropriada às circunstâncias, com o objetivo de se chegar a um acordo e conseguir o consentimento acerca das medidas propostas.”

    Apesar do Brasil ser signatário dessa convenção, que é vinculante, ou seja, tem força de lei, os exemplos de desrespeito e declarado descumprimento da mesma se acumulam em nosso país. Por isso a insistência e os protestos dos povos indígenas, comunidades tradicionais e quilombolas, igrejas, organizações ecumênicas e organizações não governamentais de lutas por direitos tem se fortalecido nos últimos tempos.

    O Bispo Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) D. Maurício Andrade foi representar o Fórum Ecumênico ACT nesta audiência. D. Mauricio, juntamente com outras lideranças indígenas e dos movimentos sociais, cobrou a implementação dos termos dessa convenção e falou da importância de igrejas e do movimento ecumênico estarem alinhados e comprometidos com a luta pelos direitos humanos e do planeta.

    A luta dos povos indígenas e comunidades tradicionais é a luta de todos os cidadãos para um Brasil melhor e mais justo. É papel das igrejas e do movimento ecumênico continuarem sendo sinais de solidariedade e de compromisso com a justiça. Por isso D. Mauricio insiste na priorização de ações que visem garantir os direitos das populações desrespeitadas. As consultas previstas na convenção não podem ser simplesmente instrumentos formais. Urge ser espaços de exercício de escuta e verdadeira democracia para que as populações afetadas diretamente, e por consequência todo o Brasil, sejam escutadas e sua palavra respeitada e provoque incidência na elaboração das políticas publicas e na tomada de decisões dos poderes executivo, legislativo e judiciário neste país.

    O FEACT reafirma seu compromisso em continuar acompanhando esse processo e fazer eco das resoluções e permanecer em sua vocação profética de estar junto dos povos indígenas e populações tradicionais bem como continuar denunciando o desrespeito a essa resolução, cobrando do governo maior transparência nas consultas.

    D. Maurício ainda reafirma o compromisso de FEACT de permanecer junto, parceiro neste caminho, lembrando um antigo ditado: se queres viajar rápido vá sozinho, se queres viajar longe vá acompanhado.

     
  • SNIEAB 17:17 on 18/07/2013 Permalink | Responder
    Tags: , , , Igreja Episcopal, Justiça templos IEAB   

    Justiça de Pernambuco Ordena a Devolução dos Templos e Propriedades para IEAB 

    Após longa batalha judicial, que durou uma década, a Justiça brasileira, este mês, finalmente decidiu que as ações adotadas pelo então Bispo Robinson Cavalcanti na criação da Diocese do Recife – DR, violaram flagrantemente a lei brasileira, bem como os Cânones, a Doutrina e a Disciplina da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB, porquanto o então Bispo Robinson, à época, encontrava-se suspenso/deposto, destituído, portando, da autoridade episcopal e legitimidade jurídica para tais ações.

    Com a sentença, foi decretada a nulidade de todos os atos promovidos pelo então Bispo e o imediato retorno, para a Diocese Anglicana do Recife – DAR, da posse, propriedade e administração de todos os bens e direitos que lhe foram ilegalmente usurpados, incluindo, entre eles, cinco templos, com todos os seus pertences, razão pela qual, de agora por diante, estas paróquias estarão sob a direção dos novos reverendos encarregados, e sob a supervisão direta do Bispo Diocesano, Dom Sebastião Armando.

    Claro está, portanto, que com a decisão, o Poder Judiciário, além de fazer valer a justiça e o direito, pôs fim a uma situação que gerava instabilidade jurídica sem precedentes na Diocese Anglicana do Recife, repercutindo de forma deletéria sobre toda a Província Anglicana brasileira, provocando, inclusive, no Brasil e no Exterior, profundos arranhões na credibilidade da instituição e sua liderança. Felizmente a ciência jurídica não aplaude desatinos e desacertos.

    Infelizmente, mesmo com este novo passo, a unidade da igreja, tão zelosamente acalentada e arduamente construída ao longo destes mais de 100 anos de existência da Igreja Episcopal Anglicana no Brasil, mais uma vez restar abalada, deixando fiéis perturbados e confusos, causando, certamente, em diversas pessoas arrefecimento da fé e o resfriamento da caridade, o que é nossa maior preocupação neste momento.

    Este é um momento histórico. Confiamos no auxílio da Graça Divina para que possamos reconstruir a unidade da Igreja. Nossa oração é que o Senhor Jesus, através do Seu Santo Espírito, toque os corações e lhes fale muito mais do que nós podemos expressar.

    Que o Senhor nos abençoe e nos ajude, com sua infinita misericórdia.

    Recife, 21 de julho de 2013.
    Setor Jurídico da Diocese Anglicana do Recife, com a aprovação do Bispo Diocesano.

     
    • Dom Ricardo Lorite de Lima 23:06 on 18/07/2013 Permalink | Responder

      A justiça foi feita.
      Dom Robinson quebrou todos os regulamentos de sua denominação e seu grupo.
      Quebraram inclusive o princípio da territorialidade da Comunhão Anglicana, quando foram acolhidos irregularmente pela Província do Cone Sul.
      Depois da morte do Robinson Cavalcanti, que era a “prima dona” dessa turma, afinal o que segurava eles era a pessoa do Robinson, com a morte dele eles perderam qualquer apoio da Província do Cone Sul.
      A Diocese do Recife desde que deixou a IEAB deixou de ser parte da Comunhão Anglicana, sempre estiveram irregular, eles se apresentavam como sendo da Comunhão Anglicana mas não eram mais.
      Como eu escrevi anos atrás aqueles que se uniram a eles pensando estar entrando na Comunhão Anglicana estavam tentando entrar pelas portas dos fundos!
      Dom Robinson com toda sua arrogância fez todos os bispos que se uniram a ele a abdicarem do episcopado, queriam dominar os anglicanos livres ou independentes! Seu plano não deu certo.
      Assinamos com ele um acordo de reconhecimento mútuo, mas ele começou a receber todos os clérigos insubordinados que desejosos de ser parte da Comunhão Anglicana saíram da nossa igreja e ele os aceitou sem ao menos nos mandar um e-mail ou dar um telefonema, além do que a sua estratégia de perseguir a população LGBT nos afastou definitivamente de seu grupo!
      Querem deixar a IEAB que fizessem, mas fossem honestos, saíssem com honra, iniciassem suas missões e paróquias, como outros fizeram, mas não tentaram um golpe, queriam deixar a IEAB mas queriam seu patrimônio e seu registro junto ao governo!
      O golpe foi um desastre, pela Graça de Deus, não há pecado que fique escondido.
      Como eles ficarão agora é fácil saber, estão de namoro com a Igreja Anglicana da América do Norte, que deu o mesmo golpe na Igreja Episcopal dos EUA, mas a justiça de lá também tem dado ganho de causa para a TEC!
      Querem deixa as Províncias da Comunhão Anglicana que deixem, mas sejam honesto como nós os episcopais/anglicanos livres, assumam sua identidade!
      A Igreja Anglicana da Bolívia tem tentado nos proibir de usar o termo “anglicana” lá, mas foram eles quem acolheram o Robinson irregularmente, não aceitam ajuda dos EUA e de Inglaterra, por serem liberais, estão com estreito relacionamento com a Igreja Anglicana da América do Norte, que não faz parte da Comunhão Anglicana e querem que nossa província de lá não use o termo “anglicana”!
      Estes grupos são uma piada de mau gosto.
      Que Deus abençoe a DIOCESE ANGLICANA DO RECIFE , seu povo e seu Bispo Dom Gameleira.
      A maior justiça é a de Deus.

  • SNIEAB 11:30 on 10/07/2013 Permalink | Responder
    Tags: , , Igreja Episcopal, , Sínodo IEAB   

    INDABA 2 (Brasília): Diálogos Rumo ao Sínodo da IEAB 

    Sob a temática geral de UNIDADE e COMUNHÃO, os delegados sinodais da Área III (Diocese Anglicana de Brasília, Diocese Anglicana de Recife, Diocese Anglicana da Amazônia e o Distrito Missionário) estiveram reunidos no último fim de semana na cidade de Brasília, entre os dias 5-7 de julho, para continuar dialogando sobre Missão, Serviço e Comunhão rumo ao XXXII Sínodo da IEAB (14-17 de novembro na cidade do Rio de Janeiro). Esta foi a segunda das três experiências regionais que serão vivenciadas até setembro e que produzirão importantes subsídios para a reunião sinodal.

    Como foi comentado no relatório do INDABA 1 da Área regional I, a iniciativa, recomendada pela Câmara dos Bispos e Conselho Executivo, está sendo coordenada pelo Centro de Estudos Anglicanos – CEA e usa uma metodologia que se inspira na cultura africana chamada de INDABA – palavra africana que significa roda de diálogo e que permite que os participantes, em condições de igualdade e liberdade de expressão partilhem seus pontos de vista na busca de consensos para o bem comum. Estiveram presentes os bispos diocesanos e suas respectivas delegações ao Sínodo, dois bispos eméritos, representantes das mulheres e juventudes, assim como lideranças diocesanas. Ao igual que o INDABA 1, a metodologia incluiu vivências devocionais, leitura da Palavra e a experiência do labirinto. Nesta última, os participantes eram estimulados a fazer o caminho da transformação, através da meditação. E da mesma maneira que no INDABA 1, os participantes foram animados a deixar seus comentários e reflexões escritos no labirinto, que “peregrinará” até o próximo INDABA (Curitiba/Área provincial II/ 20-22 de setembro) e continuará seu “peregrinar” até o Sínodo.

    Destaque-se também que estavam reunidos no mesmo local os/as colaboradores/ras do Serviço Anglicano de Diaconia e Desenvolvimento (SADD), que se uniram aos participantes nos momentos de espiritualidade ao redor do labirinto e na plenária final.

    O Bispo Sebastião escreveu: “No labirinto da vida, -e Igreja é parte de nossa vida- sermos ‘em dois ou três’ será sempre melhor do que ser só”; outro participante escreveu: “Labirinto, Indaba, caminho, diálogo, amizade”; e o Rvdo. Marcos Barros refletiu: “O caminho se faz caminhando”. O Bispo Primaz Dom Maurício Andrade afirmou que “nos reunimos em Brasília, que é o ponto mais central da região, para acolher toda a Área. O Indaba foi uma oportunidade de diálogo, conversa e partilha do nosso caminhar e sonho de missão. [...] No contexto do Indaba, ocorreu também o encontro dos Contatos do SADD, o que enriqueceu nossa convivência”.

    No domingo, foi celebrada a solene eucaristia de encerramento, presidida por dom Maurício, Bispo Primaz e Bispo da Diocese Anglicana de Brasília, que acolheu carinhosamente os participantes, e co-celebrada por todos os bispos presentes, sendo o bispo dom Orlando o pregador. Sem dúvida, foi outra rica experiência de diálogo, unidade e comunhão, assim como de desafios para a missão, e cujas conclusões serão sistematizadas e somadas às conclusões de todos os Indabas como contribuição para o Sínodo de novembro. Após a celebração, houve um momento de autógrafo do livro do Revd. Felix Filho: “Dom Helder Câmara: além as ideias”. E, ao final, a Catedral da Ressurreição acolheu a todas as pessoas com um delicioso churrasco.

    Trabalharam como facilitadores do processo dom Saulo Barros e o reverendo Dr. Pedro Triana, ambos representando a coordenação do CEA, contanto também com a assessoria do bispo emérito dom Orlando. E mediante a metodologia  VER-JULGAR-AGIR,  todos os participantes – 31 em total – foram estimulados a oferecer suas contribuições nesta caminhada como IEAB até o Sínodo, com o espírito expresso no labirinto por um dos participantes: “Se caminhar é preciso, caminharemos unidos…”.

    Saiba mais sobre o Encontro do  INDABA 1

    Rvdo. Dr. Pedro Triana

    Coordenador de Formação Permanente e da Área sinodal II CEA/IEAB

     
  • SNIEAB 15:03 on 04/07/2013 Permalink | Responder
    Tags: , , , Igreja Episcopal,   

    INDABA 1 (Rio Grande do Sul): Diálogos Rumo ao Sínodo da IEAB 

    Inspirados pelo tema UNIDADE e COMUNHÃO, os delegados sinodais da Área I (Diocese Sul Ocidental, Diocese Anglicana de Pelotas e Diocese Meridional) estiveram reunidos no último fim de semana na cidade de Santana do Livramento para dialogar sobre missão, serviço e comunhão rumo ao XXXII Sínodo da IEAB. Esta foi a primeira das três experiências regionais (atualmente as Dioceses da IEAB estão agrupadas em 3 três áreas: I (DSO, DAP, DM), II (DAC, DASP, DARJ) E III (DAB, DAR, DAA e DISTRITO MISSIONÁRIO) que serão vivenciadas até setembro e que produzirão importantes subsídios para a reunião sinodal.

    O Centro de Estudos Anglicanos (CEA) expressa com clareza sua justificativa para os encontros de INDABA nesse momento da Igreja: Tendo em conta que o próximo Sínodo foi adiado para novembro 2013; e tendo também em conta a conjuntura atual da IEAB, se faz necessário, pertinente e relevante refletir sobre o nosso sentido de missão, identidade, unidade e comunhão, assim como também sobre as perspectivas e desafios da formação teológica na IEAB para os próximos 4 anos. Assim sendo, consideramos que o CEA poderia oferecer uma contribuição na preparação para o Sínodo, assim como também durante o Sínodo e pós-Sínodo sob a temática geral de: UNIDADE E COMUNHÃO. (Justificativa- Folheto do CEA 2013)

    A iniciativa, recomendada pela Câmara dos Bispos e Conselho Executivo, está sendo coordenada pelo Centro de Estudos Anglicanos – CEA e usa uma metodologia que se inspira na cultura africana. Esta metodologia, chamada de INDABA – palavra africana que significa roda de diálogo, permite que os participantes, em condições de igualdade e liberdade de expressão partilhem seus pontos de vista na busca de consensos para o bem comum. Estiveram presentes os bispos diocesanos e suas respectivas delegações ao Sínodo, dois bispos eméritos, representantes das mulheres e juventudes, bem como lideranças diocesanas. A metodologia incluiu vivências devocionais, leitura da Palavra e a experiência do labirinto. Nesta última, os participantes eram estimulados a fazer o caminho da transformação, através da meditação, e é uma ferramenta que se encontra praticamente em todas as tradições religiosas do mundo. No domingo, antes da plenária final, foi celebrada solene eucaristia, presidida por dom Francisco e co-celebrada por todos os bispos presentes. A diocese Sul Ocidental acolheu carinhosamente os participantes e o sentimento geral dos participantes foi de uma rica experiência de comunhão e franca conversação sobre os desafios da Missão.

    Destaque-se também a participação da delegação da Diocese do Uruguai, diocese companheira, que sempre tem partilhado o caminhar da missão com as dioceses da Área I. Funcionaram como facilitadores do processo dom Humberto Maiztegui e o reverendo Pedro Triana, ambos representando a coordenação do CEA. Dentro da metodologia do INDABA se usou a ferramenta do VER-JULGAR-AGIR, e todos os participantes – 37 ao todo – foram estimulados a oferecer suas contribuições. As conclusões dessa etapa serão somadas às conclusões dos indabas das outras duas áreas e sistematizadas para aportarem no Sínodo, em novembro.

    ACESSE AO SERMÃO DE ENCERRAMENTO DO INDABA 1 REVERENDO DR. PEDRO TRIANA6to Domingo depois de Pentecostes – INDABA – Livramento – 2013-1

    PRÓXIMO INDABA entre os dia 05-07 de julho. LOCAL: Brasília com toda a delegação da Área 3 (Diocese Anglicana de Brasília, Diocese Anglicana do Recife, Diocese Anglicana da Amazônia, Distrito Missionário Anglicano).

    Por Dom Francisco de Assis

    Bispo da Diocese Sul Ocidental

     
  • SNIEAB 11:14 on 12/06/2013 Permalink | Responder
    Tags: , Centro de Estudos Anglicanos, , , Igreja Episcopal, Seminário Anglicano, Teologia Anglicana   

    Novo Site do Centro de Estudos Anglicanos CEA 

    Já está no ar o novo site do Centro de Estudos Anglicanos (CEA) http://www.centroestudosanglicanos.com.br/portal/ . O novo site tentou recuperar todo o valioso do site anterior, mas tem um formato mais bonito e dinâmico, e também mais informativo e com novas seções que esperamos seja aceito e apreciado por todos.

    Colocar no ar o novo site significou um árduo trabalho de muitos meses de toda a Equipe CEA, mas particularmente de Dom Saulo Barros, que é responsável da Área de Publicações da Equipe CEA. Esperamos que o novo site seja um valioso canal de comunicação e informações do CEA para toda a IEAB.No entanto, o site está ainda em construção e sujeito a ajustes e aprimoramentos; portanto,  agradecemos e pedimos sua compreensão, sugestões, críticas e esperamos seus comentários.

    Divulguem o novo endereço do site em nossas dioceses!

    Pela Equipe CEA

    Rev. Dr. Pedro Triana

    Coordenador de Formação Permanente e da Área II CEA/IEAB

     
  • SNIEAB 13:47 on 01/06/2013 Permalink | Responder
    Tags: , , História da Igreja, , Igreja Episcopal   

    Aniversário da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil 1890-2013 

    A Igreja comemora seus 123 anos de presença no Brasil, tendo como marco histórico a Celebração do Primeiro Culto  em 1º de junho de 1890. Segue-se também nessa trilha a Semana dos Pioneiros da IEAB (02-08 de junho) na qual lembramos os nossos queridos missionários: James Watson Morris, Lucien Lee Kinsolving, William Cabell Brown, John Gaw Meem, Américo Vespúsio Cabral, Antonio Fraga e Vicente Brande. Nossa história não foi construída apenas por grandes homens, mas por grandes mulheres que testemunharam  o amor de Deus em Jesus Cristo nas cidades, nos centros urbanos e, também nos campos desse país.

    Nesse sentido, honramos a todos e a todas que contribuíram para construção de nossas comunidades episcopais espalhadas pelo Brasil. Nosso patrimônio não inclui apenas os templos, os seminários e os imóveis de forma geral, tudo conquistado centavo por centavo, através das sucessivas contribuições generosas dos fiéis. Ousamos dizer que nosso verdadeiro e grande patrimônio é o Povo de Deus, com o qual toda a Igreja deve ter o cuidado pastoral e teológico, sempre lembrando no texto sobre o Bom Pastor de João 10.

    Somos desafiados a levar as Boas Novas para fora e para dentro de nossas paróquias episcopais. Sim, nem só de Tradição nossa Igreja Vive! A tradição poderá ser encarada por nós através de duas formas: a primeira como tradicionalismo que é a “adesão servil e tola às explicações doutrinárias e morais pertencentes ao passado” (Alister McGrath-Uma introdução a Teologia Cristã, 2005, pg. 227). Ou como, o teólogo da Igreja Ortodoxa, padre John Meyendorff, chegou afirmar em um dos escritos que a tradição   “não deve ser entendida como conjunto de verdades que foram sendo acumuladas ao longo do tempo e que simplesmente repetem as impressões do passado: A tradição genuína é sempre uma tradição viva. Ela muda e ao mesmo tempo permanece sempre a mesma. Altera-se porque enfrenta situações diferentes e não porque sua essência seja modificada. Essa essência não equivale a um proposição abstrata; antes é o próprio Cristo vivo, que diz: Eu sou a verdade”. Passado o tempo, temos o desafio de levar as nossas gerações a Mensagem da Cruz de um jeito relevante à Sociedade e nunca deixando de manifestar o testemunho de incidência pública da Igreja.

    Passado os anos, a IEAB enfrentou imensos desafios, e é verdade que muitas vezes fomos abalados diante deles, mas com a ajuda de Deus conseguimos permanecer firmes na caminhada e procurando aprender com seus os erros e seus os acertos. As recentes tribulações não nos enfraqueceram, mas de uma forma misteriosa, e por que não dizer espiritual, e dignamente nos fortaleceram e nos forjaram como Povo de Deus.

    Cremos que nossa Igreja cada vez mais entende que sua missão está apenas começando. As vitórias foram muitas, pois conseguimos avançar em todas as regiões do país. Das comunidades mais antigas aos pontos missionários da IEAB, há um anseio em prosseguir firmes, inspirados (as) nos Capítulos 11 e 12 de Hebreus, para juntos “corrermos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé”. Sim é verdade, temos desafios  e muitos deles, nossos pais e mães nem sonharam enfrenta-los. Precisamos assumi-los com fé e com coragem, com inspiração e com criatividade, pois é isso o que “Deus Exige de Nós”!

    Vamos ser gratos a Deus pelos 123 anos de vida e lembramos em nossas celebrações dominicais. Vamos ser gratos aos nossos pais e mães do passado. Vamos ser gratos aos irmãos e irmãs do presente que estão fazendo a Igreja Episcopal Anglicana no Brasil.

    Arthur P. Cavalcante+

    Secretário Geral da IEAB

     
  • SNIEAB 18:12 on 18/05/2013 Permalink | Responder
    Tags: , , Igreja Episcopal   

    Mensagem de Pentecostes à Igreja Episcopal Anglicana do Brasil 

    …mas recebereis  o poder do Espírito Santo
    que virá sobre vós, para serdes minhas testemunhas
    em Jerusalém, por toda Judéia e Samaria,
    e até os confins da terra.
    Atos 1,8

    Neste Pentecostes, somos lembrados novamente de que a Páscoa de Jesus não termina. Continua com energia e vigor para que nossas vidas sejam plenas e completas. Deus conosco que permanece conosco. Seu Espírito de perturbação e desarrumação paira sobre nossas cabeças como lembrança da missão para a qual somos convocadas/os.

    A celebração de Pentecostes é a memória fundamental e a afirmação máxima em nossa tradição espiritual, teológica e pastoral de que o diálogo e a permanência no diálogo é destino último, mas é principalmente caminho, método, jornada. O jeito como lidamos com os acontecimentos da vida é expressão da nossa espiritualidade e fé.

    Em Atos 2 temos um testemunho de que a diversidade é não só possível mas é o desejo de Deus, que permitiu que cada um falasse sua própria língua no episódio da torre de Babel, e agora permite que todos escutem e entendam em sua própria língua a mensagem de unidade, amor, ternura e compromisso do Evangelho. Ir ao encontro do outro onde ele está e entrar em seu universo é desafio permanente para nossa missão e nossa presença como sacramento de Jesus aqui e agora.

    A força do Espirito Santo vai para além de qualquer descrição possível . O Espirito é vento forte que renova, transforma e cria novo tempo, nos trazendo nova vida nos oferecendo nova energia.

    A Igreja de Jesus é chamada a cada dia a manter viva a chama do Espírito para que a missão nunca esfrie, mas também o vento impetuoso que desarruma o que está confortável e nos impulsiona para fora de nosso centro, nos torna ex-centricos, como o samaritano na estrada que percebe, se aproxima, toca, cuida, comparte recursos, agrega mais gente no serviço (diaconia) para a vida e se oferece como sacro-ofício para o futuro (pode-se contar com ele).

    A Igreja de Jesus é chamada a manter a diversidade e a aprender a dialogar sempre, mesmo no sofrimento e na incompreensão, a fim de que a salvação (o cuidado, a cura, a ternura) seja compreendida e experimentada por todos

    Convoco a Igreja a se deixar mover pelo Espirito Santo e nos deixar impulsionar por esta força interior que move nossas vidas e ações, que nos mantêm constantes apesar das  turbulências  e perseguições,  que renova o compromisso e nos mantêm na esperança da Missão que é de Deus.

    Convoco a Igreja a nos deixar mover pelo Espirito Santo, envolvendo-nos no movimento de oração da Semana do Pioneiros da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, 02 a 09 de junho de 2013.

    Neste momento da Festa de Pentecostes, quero agradecer à Igreja pelo apoio e suporte nestes sete anos que tenho servido como vosso Bispo Primaz, e rogo a Deus que desde já estejamos unindo-nos em oração pelo Sínodo 2013, no qual será eleito um novo Bispo Primaz para a Igreja.

    A Festa de Pentecostes é uma nova oportunidade de renovação da vida da Igreja que se faz comunidade na Oração, no partir do pão, e no serviço a todas as pessoas.

    Que este vento impetuoso nos mova para caminhos novos, porque o Espírito do Senhor está sobre nós e nos envia.

    Vem Espirito, Vem!

    Brasilia, 19 de maio de 2013.

    + Dom Mauricio Andrade, Primaz

     
  • SNIEAB 13:44 on 10/05/2013 Permalink | Responder
    Tags: , , Igreja Episcopal   

    Nota de Esclarecimento da IEAB 

    A Secretaria Geral  comunica a todos e a todas que Igreja Episcopal Anglicana do Brasil-IEAB não tem relação alguma, como tem sido noticiado pelos meios de comunicação e semeando confusão entre nossos fiéis, de um caso recente envolvendo um padre que dizem ser ligado a uma comunidade intitulada de Igreja Anglicana Tradicional, localizada em Campina Grande do Sul, Região Metropolitana de Curitiba.

    O padre  está foragido e é procurado pela polícia do Paraná por  ser suspeito de estupro de vulneravel, maus tratos e exploração de trabalho infantil em um orfanato no qual era diretor.

    Nossa Igreja Episcopal/Comunhão Anglicana é unicamente representada no estado do Paraná através da Diocese Anglicana de Curitiba.

    MAIS INFORMAÇÕES SOBRE NOSSAS IGREJAS NO BRASIL

    Notícia Comunicado da IEAB

     
c
escrever um novo post
j
próximo post/próximo comentário
k
post anterior/comentário anterior
r
responder
e
editar
o
mostrar/esconder comentários
t
topo
l
go to login
h
show/hide help
esc
cancelar