Tagged: Igreja Episcopal Anglicana do Brasil RSS

  • SNIEAB 8:56 on 17/11/2015 Permalink | Responder
    Tags: Anglican Church of Canada, , Igreja Episcopal Anglicana do Brasil,   

    IEAB receberá o Primaz do Canadá em visita oficial 

    Nossa Província receberá uma visita muito especial nos próximos dias. Entre 20 e 27 de novembro estaremos recebendo a visita do Arcebispo da Igreja Anglicana do Canadá ++Fred Hiltz.

    A visita ocorrerá em duas dioceses de nossa Província: Amazônia e Brasília. Será a primeira visita do Primaz ++Fred ao Brasil. Ele virá acompanhado do seu Secretário, Revd. Paul Feheley.

    O objetivo da visita é fortalecer as relações sempre sólidas que tem existido entre a IEAB e a Igreja Anglicana do Canadá. Existem muitas semelhanças no jeito de fazer missão e no compromisso com a incidência pública e ação diaconal.

    Algumas dioceses canadenses mantiveram companheirismo formal com dioceses brasileiras e mais recentemente, a Diocese de Huron estabeleceu companheirismo com a Diocese da Amazônia.

    Dentro da Comunhão Anglicana, a Igreja Canadense tem um importante papel de liderança e em termos teológicos e litúrgicos, tem contribuído no âmbito da missão, do serviço e do ecumenismo.

    O Primaz ++Fred foi eleito em 2007, em Sínodo Provincial. Antes havia sido bispo sufragâneo e depois diocesano da diocese de Nova Scotia e Príncipe Eduardo entre 1995 e 2007. Formado em Biologia e com Mestrado em Divindade, pela Universidade Atlântica de Teologia.  É casado com Lynne Samways-Hiltz e o casal tem um filho, Nathan.

    No ano passado, nosso Primaz, em visita ao Canadá, convidou o Arcebispo Fred para visitar nossa Província como gesto de acolhimento e agradecimento pela generosa interação entre as duas Igrejas.


    O Canadá têm sido um dos países que, historicamente, tem um papel de acolhimento de estrangeiros e, igualmente, acolheu durante o período da ditadura muitos exilados e perseguidos políticos do Brasil e da América Latina.

    Sua agenda em Belém e em Brasília incluirá celebrações eucarísticas - inclusive no Dia de Ação de Graças em Brasília – reuniões com clero e lideranças das dioceses visitadas, encontros ecumênicos e, claro, um pouco de lazer para mergulhar na cultura e nas belezas do Brasil.

    Seja bem vindo Arcebispo Fred! A IEAB o acolhe com alegria!

    Dom Francisco de Assis da Silva

    Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

    Diocesano em Santa Maria

     
  • SNIEAB 10:39 on 14/04/2014 Permalink | Responder
    Tags: , Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Missão Monte Moriá   

    Visita Pastoral do Primaz a Rondônia 

    Santa Maria, 14 de abril de 2014

    Palavra do Primaz sobre a visita a Porto Velho e Ariquemes

    Bem aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia (Mt 5,7)

    Irmãos e Irmãs

    Entre os dias 07 e 11 deste mês estive visitando o Distrito Missionário Anglicano para levar ajuda humanitária às vítimas das enchentes do Rio Madeira que afetaram Porto Velho. O quadro que encontrei naquela cidade é desolador. São cerca de 20 mil desabrigados. Bairros alagados, casas debaixo da água, perdas materiais incalculáveis e um sentimento de impotência por parte das autoridades.

    As regiões ribeirinhas foram as mais atingidas, onde o povo perdeu tudo que tinha, sem tempo de resgatar seus bens pela velocidade com que a água subiu. Encontrei famílias acampadas no meio da mata, vivendo em condições deploráveis, obrigadas a viver em barracas improvisadas de lonas e sem condições sanitárias dignas, muitas delas só com a roupa do corpo.

    O atendimento da Defesa Civil não atende as condições mínimas a ponto de receber a cada 15 dias água potável que só dá para duas pessoas em um dia.

    Parte dos desabrigados está espalhadas em 37 escolas públicas, sem perspectivas de retorno ainda por muitos dias. Estes desabrigados que estão nas escolas e em um acampamento fornecido pela Defesa Civil são, na maioria, moradores dos bairros da capital de Rondônia. Os ribeirinhos em sua maioria estão em picadas abertas na mata por eles mesmos e nas péssimas condições mencionadas acima.

    A situação agora se apresenta com a expectativa do recuo das águas. E isto é preocupante também porque as águas estão contaminadas e o risco de epidemia de leptospirose e outras doenças aumenta. Pude sentir um mal cheiro intenso nas áreas onde as águas estão represadas, pois o refluxo não consegue ser total.

    Em minha visita fui acompanhado pelos irmãos e irmãs da Paróquia Phileon e tivemos o apoio dos irmãos e irmãs da Missão Moriá. Entregamos cestas básicas a cerca de 30 famílias e outras foram entregues nos acampamentos neste sábado pelos irmãos das comunidades nossas. Não pude visitar todas as comunidades porque tivemos fortes chuvas na quarta-feira e o acesso ficou impossível.

    Reunimo-nos com o prefeito da cidade de Porto Velho e procuramos saber das medidas de emergência adotadas em conjunto com a Defesa Civil e com o apoio das autoridades do Estado e do Governo Federal. Percebi que o processo de enfrentamento da calamidade caminha com muitas deficiências e lentidão.

    Aproveitando a viagem, estendi minha visita à Ariquemes onde visitamos a Casa Noeli Santos e a Paróquia da SS Trindade. Foram oportunidades de contato com as reverendas Elineide e Maytee, bem como com as lideranças da comunidade. Na visita à Casa Noeli Santos pude ver o esforço da Reverenda Elineide e da Psicóloga Lucimere em organizar a casa e as limitações materiais da casa. Sinais positivos se abrem agora com a assinatura de convênio com a Prefeitura, assinado na quarta-feira passada.

    Diante do quadro que encontrei, das enormes necessidades dos desabrigados, reafirmo meu apelo à IEAB que continuem em oração pelo povo de Rondônia e conclamo nossos parceiros internacionais a atender nosso apelo por apoio concreto no enfrentamento dessa situação. Apelo a todas as comunidades da Igreja que queiram ajudar a enviarem suas contribuições para atender as necessidades mais básicas de tantas famílias  que perderam tudo e estão sobrevivendo unicamente através da solidariedade das pessoas.

    Em meio a tudo isso, o meu coração está apertado e nossa Igreja é desafiada a assumir, nesta semana santa as dores de nossos irmão e irmãs, que a exemplo de Jesus, sofrem as conseqüências de um sistema injusto, insensível e excludente.

    Meus sinceros agradecimentos ao povo de Porto Velho, ao Reverendo Robert, aos ministros leigos e ao povo das comunidades Phileon e Moriá pela coragem de enfrentar o desafio de levar carinho, solidariedade e apoio concreto aos desabrigados.

    Solicito aos bispos, clero e povo da IEAB que se mobilizem para atender esta emergência. Qualquer ajuda é bem vinda. Se qualquer irmão ou irmã quer ajudar concretamente, peço a gentileza de contactar a Secretaria Geral da IEAB ou o Primaz, para que encaminhemos as orientações para o envio da ajuda.

    Que o amor de Deus nos motive a demonstrar nossa solidariedade com os que sofrem!

    Que o amor de Deus seja derramado em nossos corações para servimos a Ele na vida dos necessitados!

    Vosso irmão e Primaz,

    ++Francisco

     
  • SNIEAB 16:30 on 07/02/2014 Permalink | Responder
    Tags: , , , , Igreja Episcopal Anglicana do Brasil   

    Primaz do Brasil na Sede do Escritório da Secretaria Geral 

    O Bispo Primaz Dom Francisco de Assis da Silva esteve São Paulo, entre os dias 05-07 de fevereiro, para despachar pela primeira vez com a sua Equipe da Secretaria Geral da IEAB.  Dom Francisco de Assis assumiu o primado da Igreja Brasileira em 17 de novembro de 2013 e acumula como diocesano da Diocese Sul Ocidental, com Sé na Cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

    O Secretário Geral Reverendo Arthur Cavalcante deu as boas vindas ao Primaz e apresentou a Equipe de São Paulo, com suas respectivas funções dentro da estrutura do escritório.

    Dom Francisco partilhou no primeiro dia de sua visita o texto da Parábola dos Talentos (Mateus 25.14-30) e desafiou a pequena equipe de multiplicar os “talentos”, a porção confiada por Deus a cada pessoa, e não permitir que o medo diante de tantos desafios pudesse paralisar os trabalhos. Por fim, animou a Equipe a deixar-se tocar pela “alegria do Senhor” e cumprir o chamado da Igreja para o serviço durante o interregno sinodal (2013-2017).

    Ainda na quarta-feira (05) participou de um jantar oferecido pela Primeira Guardiã da Paróquia da Santíssima Trindade, Sra. Lucia Vergara, contando com a participação da Junta Paroquial, lideranças leigas e do Reverendo Arthur, também reitor da comunidade local. Na ocasião foi lembrado o apoio da Paróquia na “multiplicação dos talentos”, quando abriu as portas para a vinda da estrutura física da Secretaria Geral de Porto Alegre para São Paulo. A Junta avaliou objetivamente o período do companheirismo, entre 2011-2013, e renovou o compromisso de apoiar a IEAB por mais um período. Dom Francisco de Assis, agradeceu ao povo da Santíssima Trindade e destacou o testemunho da comunidade na compreensão da dimensão provincial da Igreja.

    Na quinta-feira (06) o Primaz reuniu-se com o Dom Flavio Irala, Bispo da Diocese Anglicana de São Paulo (DASP). Dom Francisco expressou o agradecimento da IEAB pelo apoio DASP nesse momento de continuidade de trabalhos do escritório da Secretaria Geral nas dependências da Paróquia da Santíssima Trindade. Igualmente reforçou o apoio espiritual,  jurídico e institucional da IEAB junto a Diocese Anglicana de São Paulo diante do cisma provocado pela Catedral Anglicana de São Paulo, separando-se unilateralmente da Comunhão Anglicana, tornando-se uma comunidade independente. Também confirmou a visita especial do Arcebispo de Cantuária, Sua Graça Justin Welby,  em São Paulo, para um encontro com o Primaz e para celebrar um ofício religioso na Paróquia da Santíssima Trindade juntamente com o Povo, Clero e Bispos da IEAB.

    Dom Francisco de Assis juntamente com o Secretário Geral cumpriram uma agenda na qual foram abordados diversos assuntos, entre eles, o planejamento e a formalização de uma agenda de trabalho provincial em torno das decisões do Sínodo de 2013.

    A Secretaria Geral implementou dentro de sua rotina de trabalho, um momento diário de oração contemplativa e leitura bíblica, inspirados na espiritualidade de Charles de Foucauld. Dom Francisco participou desses momentos e afirmou que estaria igualmente em sintonia de oração com a Equipe e desafiou que esse momento fosse de todas as pessoas que integram Cargos/Comissões e GTs da IEAB. As orações ocorrem de 2a.Feira à 6a Feira, das 12h45 às 13h, e em breve, estarão disponíveis através do Faceboock da IEAB.

    Entre os dia 23-26 de fevereiro, Dom Francisco de Assis voltará a São Paulo para a Primeira Reunião e Retiro da Câmara dos Bispos da IEAB, com a direção espiritual do Frei Marcelo Barros.

     
  • SNIEAB 11:13 on 10/09/2012 Permalink | Responder
    Tags: , , Flávio Irala, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil   

    Deão Flávio Irala é o Bispo Eleito da Diocese Anglicana de São Paulo 

    ELEIÇÃO EPISCOPAL NA DASP

    No fim da manhã do dia 08 de setembro de 2012, a Diocese Anglicana de São Paulo (DASP) elegeu o Reverendíssimo Flávio Irala, o 6º Bispo da sua história.

    Foram apresentados dois candidatos a saber, o Reverendo Francisco César Fernandes (atual Reitor da Paróquia de São João, no bairro de Pinheiros/São Paulo) e o Reverendíssimo Flávio Irala (Deão da Catedral de São Tiago, em Curitiba/PR).

    Na noite anterior,  no dia 07 de setembro, os delegados e delegadas participaram de um momento de maior aproximação e de conhecimento dos candidatos através de uma rodada de perguntas.

    No dia seguinte teve início ao Concílio Extraordinário, no Centro de Formação Sagrada Família (bairro do Ipiranga), com a Celebração Solene da Santa Comunhão, presidida pelo Bispo Diocesano Dom Roger Douglas Bird, acompanhado pelos candidatos e por clérigos diocesanos e contando com a presença dos delegados e delegadas conciliares.

    Posteriormente, seguindo as normas canônicas e da agenda prevista, às 10 horas, ocorreu a abertura formal dos trabalhos. A Câmara dos Clérigos e a Câmara dos Leigos puderam votar em urnas separadas.  O resultado final foi alcançado já no 1º Escrutínio por maioria dos votos a favor do Reverendíssimo Flávio Irala.

    O cântico do Gloria in Excelsis foi entoado por todos os presentes cumprindo uma velha tradição da Igreja. Logo após, os candidatos tiveram a oportunidade de  fazer os seus agradecimentos e suas declarações de apoio pastoral ao Povo e ao Clero no fortalecimento da unidade de toda a DASP.

    Uma vez que a Diocese Anglicana de São Paulo elegeu o seu bispo, agora o processo deverá seguir os passos previstos nos Cânones Gerais da IEAB sobre Eleições Episcopais e aguardar o pronunciamento formal de toda a Província.

    BREVE HISTÓRICO DA CAMINHADA DO NOVO BISPO ELEITO

    Por Xico Esvael

    Reverendíssimo Flávio Augusto Borges Irala, 58 anos, atual Deão da Catedral Anglicana de Curitiba, nasceu em Bagé-RS, onde foi batizado e confirmado na Igreja Episcopal Anglicana do Brasil. Ao longo de sua vida tem testemunhado sua fé em Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, prestando relevantes serviços na IEAB.

    No início dos anos 70, exerceu significativa liderança junto à juventude da Diocese Sul Ocidental. Destacando-se o seu primeiro trabalho como compositor e músico para uma Celebração Litúrgica que tinha como objetivo renovar a hinologia e acolher os jovens através de uma linguagem que os identificasse, poética e musicalmente. Este ofício eucarístico, realizado na Matriz do Crucificado, Bagé, teve como Celebrante o Rev. Joaquim Teixeira Guedes e pregador o Rev. Orlando Santos de Oliveira, atual Bispo da Diocese Meridional em Porto Alegre. Este fato marcou definitivamente a carreira do Rev. Flávio, que o tornou reconhecido como uma autoridade na hinologia contemporânea.

    Nos primeiros anos de aprendizado e serviços missionários na Diocese Sul Ocidental, participou de Concílios e vários Encontros Missionários Diocesanos, a destacarem-se os Eventos Artísticos Evangelísticos, realizados em Escolas Públicas e da própria Diocese que suscitou novos membros para a IEAB, sendo que alguns deles seguiram carreira sacerdotal tornando-se clérigos.

    Ainda em meados dos anos 70 transferiu-se para o Rio de Janeiro onde passou a servir na Paróquia do Redentor, sob a orientação pastoral do Rev. Celso Franco de Oliveira, atualmente Bispo aposentado daquela Diocese. Na capital fluminense, continuou compondo e exercendo liderança paroquial e diocesana.          Após alguns anos, mais precisamente em 1979, atendendo a convite transferiu-se para São Paulo, ingressando como aluno no Instituto Anglicano de Estudos Teológicos, onde se bacharelou. Na capital paulista, enquanto estudava, engajou-se nos movimentos missionários realizados pela Diocese, como os Encontros do Povo de Deus, Encontro de Treinamento de Líderes, Encontros da Juventude, da gravação daquele que viria a ser o primeiro disco (vinil) da IEAB, intitulado Vitral, com a participação dos jovens do coral da Paróquia da SS. Trindade e Encontros da Família Anglicana. Destaca-se também sua contribuição e participação no livro de partituras dos novos hinos e canções da IEAB: O Novo Canto da Terra, editado pelo IAET sob a coordenação do Rev. Jaci Maraschin.          Após formar-se no IAET, foi ordenado diácono da IEAB, sendo designado para trabalhar na Missão em Cubatão no litoral paulista, onde realizou importante trabalho junto aos moradores da região, alguns deles operários do polo petroquímico, pescadores e do porto de Santos. Após sua ordenação ao Presbiterado, trabalhou como Arcediago  (Supervisor) e pároco nas paróquias e missões do ABC, São Lucas (Vila Maria), São João (Pinheiros) e São Lucas (Londrina-PR).

    Participou do Conselho Diocesano da DASP. Como pároco da São João enfrentou na companhia da congregação, os desafios da demolição arbitrária do templo e salão paroquial, realizada pela prefeitura para atender a um projeto de ampliação da Av. Faria Lima. Participou e lutou, com fé e  coragem, junto com os paroquianos, da resistência organizada pelos munícipes e moradores da região de Pinheiros.   Liderou a construção do novo Templo, criou um Centro Comunitário que atendia, com técnicos especializados, as pessoas carentes da região (com sua transferência para outra paróquia esse trabalho não logrou continuidade). Quando foi convidado para trabalhar em Londrina, na Paróquia de São Lucas, realizou um trabalho com deficientes visuais.

    Como compositor é autor de inúmeras canções e antífonas salmodiais publicadas e executadas para além das fronteiras Anglicanas, onde obtém reconhecimento internacional e interdenominacional. Como Deão da Catedral Anglicana de São Tiago (Curitiba), realiza importante trabalho social e pastoral junto aos moradores de rua da capital Paranaense.

    Participou e participa de várias Comissões e Grupos de Trabalhos Provinciais e Diocesanos, destacando-se os GTs que trabalham na edição do Livro de Oração Comum e Hinário Episcopal, 2013, com novas contribuições litúrgicas e hinológicas numa pastoral em sintonia com os anseios da sociedade contemporânea. Representando a Diocese Anglicana de Curitiba, integra o Conselho Executivo da IEAB (CEXEC), contribuindo junto aos representantes das outras Dioceses com a administração da Igreja Nacional.

     
  • SNIEAB 10:24 on 21/01/2012 Permalink | Responder
    Tags: Christian Aid, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil,   

    Church Times: Christian Aid e as Razões para Apoiar Projetos no Brasil 

    O governo inglês pretende transformar em lei o seu compromisso de destinar 0,7% do PIB nacional para auxiliar outros países, o que gerou uma série de críticas nas páginas de jornais, principalmente do Daily Mail. A ajuda do Reino Unido à Índia foi o primeiro alvo. Apesar de um terço da população mais pobre do mundo estar entre seus 1,2 bilhão de habitantes, o país possui um programa espacial e é classificado como uma nação de renda média. Por que eles deveriam continuar recebendo doações às custas dos pesados impostos pagos pelos cidadãos ingleses?

    A notícia de que o Brasil, outro destino do auxílio oferecido pelo Departamento Britânico de Desenvolvimento Internacional, foi classificado como uma economia maior que a do Reino Unido causou ainda mais revolta. “A Grã-Bretanha deve colocar os seus necessitados em primeiro lugar”, exigiu o jornal em seu comentário sobre o assunto. O The Sun, por sua vez, adotou um tom mais ameno. “A população brasileira é de 190 milhões”, segundo um porta-voz do Centre for the Economics and Business Research (“Centro de Pesquisas Econômicas e Empresariais”, em tradução livre). “A economia deles pode ser maior, mas o padrão de vida aqui (no Reino Unido) é muito superior ao de lá.” Esse é o cerne da questão. Não tenho a intenção de minimizar a luta diária dos pobres e necessitados nesse país. Contudo, uma visita recente aos projetos da Christian Aid no Brasil me permitiu ver com meus próprios olhos que a riqueza econômica e a pobreza extrema podem caminhar lado a lado.

    A cara da pobreza global vem mudando nos últimos anos. Vinte ou trinta anos atrás, a maior parte da população pobre do mundo era encontrada em países pobres, enquanto atualmente 75% daqueles que vivem em condições extremas de miséria (menos de US$1 por dia) estão em países de renda média. Apesar de seu crescente poder econômico, o Brasil continua sendo uma das nações mais desiguais do mundo: lá, 3% de sua população é dona de dois terços das terras cultiváveis, por exemplo. Milhões não possuem acesso à terra e um terço da população não dispõe de água potável. Entre os motivos para esse quadro tão desigual, destaca-se uma política tributária regressiva. Em 2005, o Brasil recolheu quase 34% do seu PIB em impostos, mas investiu apenas 9,5% desse montante em serviços primordiais como educação, saúde, habitação e saneamento básico. Essa situação é criada pela combinação da pesada dívida brasileira com o fato de que o FMI exige que o país mantenha um superávit de pelo menos 4%.

    Um dos parceiros do Christian Aid visitados por mim, o Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos, trabalha com os sem-teto no centro de São Paulo, a maior cidade do hemisfério sul. A evidente riqueza econômica da cidade contrasta fortemente com as condições de vida de quem mora nas ruas ou em cortiços.

    Estive em um dos projetos em um centro de reciclagem de lixo, no qual as pessoas aprendem a confeccionar e comercializar produtos feitos em material reciclável. Outro parceiro, o MST (Movimento dos Sem Terra) já conseguiu o assentamento de 400 mil famílias em áreas por todo o país.

    Também tive a oportunidade de viajar área serrana no Rio de Janeiro, onde testemunhei a devastação deixada pelas enchentes de 2010, nas quais pelo menos mil pessoas morreram. A ajuda do governo para áreas remotas é ínfima. A Koinonia, outra parceira, fornece cobertores e refeições para seis mil pessoas, além de ajudar os necessitados a reconstruir suas vidas.

    Abandonar países como o Brasil nesse estágio de desenvolvimento seria uma atitude equivocada. Nos países em desenvolvimento, o crescimento econômico não é suficiente. Naturalmente, ele é essencial para ajudar as pessoas a saírem da linha de miséria, mas com frequência acontece às custas dos pobres.

    Artigo publicado originalmente em Church Times.

    Saiba mais sobre a Parceria entre Christian Aid e a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

     
c
escrever um novo post
j
próximo post/próximo comentário
k
post anterior/comentário anterior
r
responder
e
editar
o
mostrar/esconder comentários
t
topo
l
go to login
h
show/hide help
esc
cancelar