No caminho a gente se entende, mas caminhar é preciso: 35º Concílio da Diocese Anglicana de Brasilia, Paranoá/DF 

1 e 2 de Setembro de 2018

“Grava-me como um selo em teu coração,

Como um selo em teu braço;

Pois o amor é forte, é como a morte!

Cruel como o abismo é a paixão;

Suas chamas são chamas de fogo

Uma faísca divina.” (Ct 8:6)

A Diocese Anglicana de Brasília dá testemunho do seu compromisso de ser o sacramento do Cristo em meio a uma sociedade violentada e carente de amor e solidariedade, escutando os clamores do povo e da natureza para continuar sendo comunhão (koinonia) e serviço (diaconia) em direção ao Reinado de Deus.

O 35º Concílio da Igreja local, que aconteceu em Setembro de 2018, cumpriu seu objetivo de congregar o povo de Deus, sob a orientação da Ruah Divina (o Espírito perturbador de Deus, cf At 2:1-13), para ouvir a Palavra de Deus e obedecer o mandamento de permanecer no amor, através da oração, diálogo e cuidado (pastoral/diaconia). Amar não é uma tarefa fácil. E sim, amar é uma tarefa, uma ação que afeta você mesma/o e a outras pessoas. E amar implica em permanecer no desejo de dialogar e caminhar juntas/os. E não, continua não sendo fácil.

O Concílio foi longamente preparado, sob a orientação do Espírito Santo, em oração, estudo e escuta do que Deus quer de nós e para nós (para o mundo). Em meio a tantas estatísticas de violência, empobrecimento, desigualdades crescentes, assassinatos e adoecimento (mental, físico, espiritual) a or(a)ção é um caminho transformador e sustentador da fé e do compromisso com a Missão de Deus que quer que “todas as pessoas sejam salvas e cheguem ao conhecimento de Deus” (cf. 1Timóteo 2:4).

O Sínodo Geral da Igreja do Brasil precedeu nossa reunião conciliar. Um sínodo é o momento em que a igreja escuta seus membros, escuta a Palavra de Deus, celebra a comunhão/eucaristia como sacramento (já é, mas ainda não) do Reinado de Deus e decido “syn odos” (sinodar – caminhar junta, na mesma perspectiva). Esse sínodo deixou-nos algumas lições importantes que precisamos sublinhar: escutar até o fim, permanecer no amor e na tolerância, concordar em discordar, discordar na caridade e no testemunho fiel do Cristo ressuscitado, continuar com os pés, o coração e a teologia na realidade, sendo uma Igreja profética, ousada e aberta ao novo.

Como resultado do ser igreja juntas e juntos, na saúde e na doença, na tristeza e na alegria, no dialogo e na diversidade realizamos nosso concílio nesse mesmo espírito e dedicação ao Reinado de Deus. Celebramos o Concílio no marco dos 15 anos de serviço de Maurício que para nós é o Bispo Diocesano e conosco é nosso irmão na caminhada.

Em nosso Concílio então:

Foram reafirmados os compromissos da Igreja de Cristo com a missão que transforma o mundo e a humanidade. A missão é identitária (não é qualidade nem muito menos opção) de nossa comunidade religiosa. Somos pessoas chamadas para a presença de Deus, do Cristo, para sermos enviadas ao mundo, não para nos conformarmos com ele (em suas maldades e desigualdades) mas para transformá-lo (Cf. Romanos 12:2). Queremos ser uma Igreja sempre reformada (Ecclesia semper reformata, Karl Barth, citando Sto Agostinho) ou seja, uma igreja que para continuar sendo fiel ao mandato de Jesus de amar, inclusive aos inimigos, e bendizer sempre, inclusive aos que nos desejam mal, tem sempre que reexaminar a si mesma, sua doutrina e teologias, estar disposta a mudanças para que o serviço (diaconia) ao mundo (pessoas e natureza) sejam sempre fiéis e retas. Jesus fez isso com sua religião e nos ensina a fazer isso com a nossa. Como compromisso concreto a Igreja Nacional e portanto nossa Diocese está alinhada na colaboração com a execução dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) focando nos seguintes: Fome e Pobreza, Igualdade de Gênero, Desigualdades, Paz e Justiça. Também se percebeu uma consciência e sensibilidade maior para as questões de Justiça Climática e cuidado com o Meio Ambiente. Essa área de ação precisa ser mais desenvolvida e ganhar corpo em nossa igreja local, ficou o desafio.

Foram reafirmados os compromissos da igreja com a missão integral (holística).O mandato de Jesus para ir ao mundo e batizar em nome da Trindade revela o objetivo e o método com os quais devemos trabalhar. Somos enviadas/os a batizar. Batizar é um verbo que significa (no idioma origina do Novo Testamento) “fazer mergulhar, envolver, conectar”. Ou seja, nossa missão é envolver mais pessoas no projeto de Jesus, no caminho da solidariedade e da profecia. Nossos ouvidos precisam ouvir mais claramente o clamor que sobre daquelas pessoas em situação de vulnerabilidade e insegurança (em todos os níveis). Nosso chamado é para ir ao encontro de quem precisa, olhar, prestar atenção, cuidar, compartilhar nossos recursos (financeiros inclusive), acompanhar e garantir que situações de violência não aconteçam de novo (cf Lucas 10:25-37). Ajudamos primeiro, depois perguntamos, se é que perguntamos. Nossa missão é desenvolver teologias e dizer palavras (discursos: pregações, meditações, orações) que congreguem, curem, “ajuntem” e incluam todas as pessoas, pois TODAS (e todas são sempre TODAS) são Imago Dei – imagem e semelhança de Deus. E é em nome da Trindade, uma expressão divina e um recado direto para todas nós que a comunidade, a capacidade de permanecer juntas/os e o desafio de amar sempre são a “maneira, o método, o jeito” pelo qual as pessoas crentes devem atuar, pensar e falar.

Foram reafirmados os compromissos da igreja com a sua natureza: missionária, diversa, plural e inclusiva – espaço seguro e parábola do Reino. A igreja é o sacramento primeiro da presença real de Jesus Crucificado e Ressuscitado entre nós. Ela é o corpo de Cristo que foi oferecido por nós e por nossa salvação para a remissão dos pecados, para que a gente não entre em caminhos errados e que nos afastem do coração misericordioso de Jesus. Através e como resultado de muita oração, meditação e reflexão reconhecemos que somos uma igreja plural, reconhecemos e celebramos que essa diversidade é dom e graça de Deus, revisitamos nossas teologias e nossas doutrinas para que continuem sendo fieis a Deus e ao seu chamado de amor e misericórdia. No espírito de testemunho do amor de Deus que acolhe, abençoa e fortalece toda a gente, a Igreja diocesana aprovou por maioria a celebração eclesial, espiritual e litúrgica do santo matrimônio cristão estendido a TODAS as pessoas que o desejarem. O Livro de Oração Comum já está preparado para acolher a união de PESSOAS em santo matrimônio e isso marca um profético e ousada posição de uma igreja cristã em nossos contextos. Reconhecemos que o caminho e as decisões tomadas necessitam ainda de muita oração e acompanhamento, necessita de insistência e persistência para irmos mais longe e na direção certa do Reinado de Deus, que já está aqui e agora, mas ainda está por construir no dia-a-dia de nosso trabalho missionário.

Acompanhados pelo provérbio africano que diz que “se queremos ir rápido, devemos viajar sozinhos, mas se queremos ir longe, devemos ir juntas/os”, o Concílio celebrou seu companheirismo com outras organizações nacionais, internacionais e da família Episcopal Anglicana, especialmente: USPG, Anglican Alliance, Diocese de  Indianápolis (USA), Paróquia de Punta Gorda (Flórida, USA), relações na Convenção Geral da Igreja Episcopal dos Estados Unidos, com a família ecumênica nacional (CONIC, CEBI, Diaconia, CESE, entre outras). Essas alianças permitem que a Diocese se abra para outras experiências, bem como permite que outras localidades aprendam de nosso jeito de ser igreja e de como juntas/os podemos transformar vidas e estruturas injustas. Foi reafirmado o compromisso da Diocese de cultivar essas relações e abrir-se a outras possíveis no caminho de fé e missão.

O Concílio também foi o momento de escutarmos sobre nosso ministério na Diocese, pararmos para ouvir atentamente o que o Espírito diz as Igrejas (Ap 2:7) através das nossas comissões e serviços diocesanos. Escutamos as atividades que foram realizadas, as avaliações e propostas de continuidade. Compartilhamos nossa vida econômica (administração e finanças) de nossas comunidades, ações sociais e escritório diocesano, a partir do princípio da transparência e do constante apelo ao compromisso de cada membro da igreja de contribuir com seu trabalho e também com seus recursos financeiros e profissionais com a vida da igreja local. Esse é sempre um apelo de Deus e da realidade para que nossa “responsabilidade” cristã seja cada vez mais forte e constante, a fim de que a Igreja de Jesus possa continuar sendo um sacramento dele no mundo e para o mundo, a fim de transformá-lo para que o Reinado de Deus seja realidade mais e mais.

Reafirmamos nossa visão e missão:

Missão: “Ser uma igreja missionária, instrumento do anuncio e testemunho do Reino de Deus, por atos e palavras. Viver na diversidade e Inclusividade o nosso jeito de ser anglicano, inseridas e inseridos no contexto sociocultural das comunidades.”

Visão: “Ser uma igreja ousada e dinâmica no testemunho do evangelho e na ação missionária na promoção da vida, servindo no amor, fidelidade e solidariedade.”

Na celebração final desta reunião de graça e misericórdia, de escuta e diálogo, de tolerância e permanência, porque o Amor de Deus é para todas/os nós, tivemos a grata pregação/provocação de nosso irmão e companheiro de caminhada que hoje trabalha na USPG Rev. Canon Richard Bartlett. Ele nos exortou a quatro grandes reflexões que nos deve levar a uma profunda or(a)ção interior e em direção ao mundo: Que declaração de fé fazemos? E nosso chamado de ser uma igreja PRESENTE, PROCLAMADORA E PROFÉTICA. Aqui algumas reflexões sobre o que isso significa, para além do sermão do nosso irmão Richard, mas a partir dele.

  • Que significa nosso Credo Apostólico e Niceno-Constantinopolitano: qual é a nossa declaração de fé? Em que acreditamos? Em qual Deus pomos nossa confiança? Nosso Deus é o Deus de…? As respostas a todas essas questões sempre estão na ponta da língua e, como Paulo e sua tradição que chegou até nós, nós proclamamos (ou deveríamos pelo menos) o Cristo Crucificado e Ressuscitado que nos redimiu e nos presenteou com a salvação, por amor incondicional. Nosso modelo é Jesus, a Trindade que expressa a verdadeira comunidade e modelo de vida, pastoral e teologias. Mas, isso é um compromisso muito grande, pois é necessário realmente conhecer Jesus, seu ministério, suas palavras (teologias) e seus compromissos políticos para que possamos seguir seus passos e refazer seu caminho hoje e sempre. Fica o desafio.
  • Somos uma igreja PRESENTE: Estamos neste contexto, no cerrado, na Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, na Família Episcopal/Anglicana mundial, na Família Ecumênica. Estamos em diferentes contextos tentando fazer a diferença e anunciar que o Reinado de Deus já está no meio de vocês. Somos presentes em lugares de necessidades econômicas e onde a necessidade espiritual também nos convoca. Estamos tecendo uma rede de carinho, compromisso e principalmente solidariedade para com as pessoas mais vulneráveis que podemos atingir. E somos do CERRADO, presença “torta”, resiliente, diversa e cuidadora, assim como a natureza de nossa região. Somos de diversos cheiros e sabores e procuramos ser alimento e motivação para todas as pessoas e organizações com as quais temos relação.
  • Somos uma igreja PROCLAMADORA: É nosso dever proclamar as boas novas do Reinado de Deus (5 Marcas da Missão – Lucas 4:18-19). Essa proclamação se da na oração e no trabalho (ministério, diaconia), inspiradas na tradição bíblica e da nossa igreja, bem como enraizada na espiritualidade beneditina (ora et labora e nada antepor ao amor de Cristo, Regra SB). E o conteúdo da proclamação deve ser baseado no amor, na solidariedade e no compromisso com os valores e as estruturas do Reino de Deus. Proclamar que Jesus é o Senhor de nossas vidas é comprometer-se com seu caminho, suas ações, sua ideo-teologia, sua religião que esta focada nos mais pequeninos, nos que sofrem, nos que tem jugos pesados, nos que são excluídos da sociedade e da religião tradicional, nas pessoas que estão sedentas de sentido, de beleza e de pão cotidiano. Celebramos o ministério de nosso Bispo Diocesano e do corpo da igreja de Cristo aqui no Cerrado que sempre pede a Deus ‘que a dor, a injustiça, a guerra, a mentira e o futuro’ não nos sejam indiferentes (Eu só peço a Deus, cantada por Beth Carvalho) e que se lança para outras margens, proclama que todas as pessoas são bem vindas porque todos e todas somos o Corpo de Cristo, cada um à sua maneira (cf. Coríntios 12) e que continuar a mensagem que de o “perfeito amor lança fora todo o medo” (1João 4:18).
  • Somos uma igreja PROFÉTICA: em nome de Jesus proclamamos os valores do Reino e os requerimentos para que ele seja revelado, pois ele já está no meio de nós (cf Marcos 1:15). Somos convidadas/os à ousadia e à coragem de avançar e continuar nosso ministério interno e externo no espírito da transformação e da sustentabilidade. Nossa liturgia, teologias, ministérios são alimentados pelo desejo de justiça, dignidade e segurança de todas as pessoas e do planeta. Continuamos trabalhando para uma igreja que seja lugar seguro para todas as pessoas, uma igreja que seja o lugar de aprender que a justiça e o direito são o coração do ministério de Jesus, é a religião que Deus gosta, bem como a oração e o encontro íntimo com Deus são necessidades de todo crente para alimentar uma mente e um coração abertos ao novo e ao Espírito Santo, fogo ardente e vento impetuoso, que desinstala nos tirando de nosso lugar confortável. Somos PROFECIA, uma palavra de Deus que proclama de Deus é o Deus do Êxodo, da libertação, da alegria e da igualdade. É sempre bom lembrar o conteúdo da profecia para alinhar nossas comunidades com ela. Desafio constante em nosso dia-a-dia.

Como não pode ser diferente e porque “a festa sempre continua” (moto do nosso Bispo) terminamos nosso concílio com uma grande refeição comunitária. Comer juntas/os é uma das partes mais fundamentais de nossa tradição cristã, o ágape, para nos lembrar do quanto devemos partilhar e o quanto isso é importante na proclamação do Reino. Agradecidas/os à todas as pessoas que estiveram ministrando na cozinha para que nossas refeições estivessem prontas e bem servidas, bem como a todas/os participantes do Concílio encerramos com a certeza de termos cumprido nossa tarefa de nos escutar mutuamente, orar como igreja diversa mas unida e estar abertas/os ao Senhor que nos envia ao mundo pois a necessidade é grande e a messe ainda pequena.

A bênção do Deus de Sara, Abraão e Agar,
a bênção do Filho, nascido de Maria,
a bênção do Santo Espírito de amor,
que cuida com carinho, qual mãe cuida da gente,
esteja sobre todas nós. Amém!

Texto: Diocese Anglicana de Brasília – DAB