Tagged: Carta Pastoral RSS

  • SNIEAB 12:18 on 06/09/2018 Permalink | Responder
    Tags: , Carta Pastoral, ,   

    Carta Pastoral do Bispo Mauricio Andrade à 35ª Reunião Conciliar da Diocese Anglicana de Brasília da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, reunida na Paróquia da SSª Trindade, Paranoá-DF, nos dias 01 e 02 de setembro de 2018 

    1. Irmãs e Irmãos em Cristo reunidas nesta reunião conciliar da Diocese Anglicana de Brasília, desejo que este seja mais um momento de encontro, partilha, diálogo e decisões no caminho da unidade e na perspectiva da mudança a que somos chamadas e chamados a viver a cada momento de nossas vidas em Cristo.

    2. Sim, porque seguir a Cristo requer de cada uma e cada um de nós mudanças. E essas são constantes. Seguir a Cristo exige assumir que estaremos na contracultura, mas também que estaremos exercendo e expressando o amor que vem de Deus e nos motiva a amar sem medo e com toda força.

    3. Nessa chegada ao Concílio, somos acolhidas e acolhidos, com muita alegria e fraterna hospitalidade, pela Paróquia da SSª Trindade, que, neste mês de setembro, celebra 26 anos da presença Anglicana no Paranoá. Tempo de muitas lutas e também de alegrias e glórias, para honra de nosso Senhor Jesus Cristo.

    4. E, nesse contexto de festa na Paróquia da SSª Trindade, não poderíamos deixar de trazer à memória o testemunho de perseverança do Rev. Côn. Josias Alves Conserva, que serviu com grande determinação e foi para nós um exemplo de quem resistiu e nunca desistiu da missão, porque a Missão é de Deus.

    5. Hoje celebramos o ministério de liderança e serviço do Rev. Denilson Olivato, juntamente com o povo da Trindade. Vamos adiante meu povo! “Temos muito ainda por fazer, apenas começamos” (Renato Russo).

    6. Nosso Concílio se envolve na moldura de três grandes referências para nossa espiritualidade na missão. Começamos a semana celebrando o testemunho e vida de Dom Helder Câmara. Seu pensamento e testemunho é uma inspiração para meu episcopado, e continuarei sempre sonhando que um novo mundo é possível: “nas bem-aventuranças de Jesus falta uma, ou está implícita em todas: bem-aventurados os que sonham, porque correrão o doce risco de ver os seus sonhos realizados”.

    7. A semana continuou trazendo a memória de Santo Agostinho de Hipona, um dos mais importantes teólogos e filósofo dos primeiros anos do Cristianismo. Suas obras influenciaram o pensamento cristão. Cito, em especial, os livros “Confissões” e “Cidade de Deus”, que marcam o seu cuidado com aquilo que é essencial: “nas coisas essenciais, a unidade, nas coisas não essenciais, a liberdade, e em todas as coisas, o amor”.

    8. Na sexta-feira, 31 de agosto, foi dia de recordar Santo Aidan. Ele foi Bispo de Lisdisfarne. Conhecido como apóstolo da Nortumbria, foi o responsável pela restauração do Cristianismo naquela região. Como um bispo missionário, no ano de 631, ele caminhou a pé pelas aldeias conversando e inspirando as pessoas pobres.

    9. Aqui, quero expressar em Concílio as boas-vindas ao nosso irmão Rev. Izaias Torquato, que no último interregno conciliar, mais precisamente em setembro de 2017, foi acolhido e instalado Ministro Encarregado na Paróquia São Felipe e depois também na Missão da Reconciliação. Oferecemos as boas-vindas também ao Rev. Geraldo Magela, que vem cedido pela Diocese Anglicana do Recife e aqui, por este tempo, assume os deveres e direitos de clérigo da Diocese Anglicana de Brasília.

    10. Na inspiração destes pais da Igreja, quero hoje expressar minha gratidão a Deus, a minha família e ao clero e povo desta Diocese por chegar ao décimo quinto ano de episcopado pela vontade de Deus e eleição do povo. Muito obrigado pelo caminhar de serviço. E vamos adiante!

    11. Este Concílio seguirá a inspiração do que moveu toda a Igreja na preparação e chegada da Confelíder e do Sínodo: “Ora, vocês são o corpo de Cristo, e são membros dele, cada qual a sua maneira”. Foi enorme a nossa alegria ao acolher o povo da Igreja em Brasília naquela bela festa.

    12. Quero lançar uma motivação para nosso caminhar diocesano que vem baseada na teologia de João, a qual nos traz a ênfase na encarnação: “o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (João 1,14) e no amor. O amor que se transforma na chave da vida cristã, porque foi por amor que Deus nos salvou: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu único filho para nos salvar” (João 3,16). É pelo amor que poderemos experimentar a mais profunda comunhão com Deus “nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar nossa vida pelos irmãos” (I João 3, 16).

    13. É nesta trilha que ofereço, com muita energia, o tema para nossa inspiração diocesana “o perfeito amor lança fora o medo” (I João 4,18).

    14. Para viver essa experiência de que o amor é a chave do nosso ser e fazer cristãos, é indispensável se perceber no “andar” no entendimento e na sabedoria: “a sabedoria edificou a sua casa (…) andai pelo caminho do entendimento” (Proverbios 9, 1-6). O imperativo do convite é: “andai no entendimento”.

    15. Certamente, andar no entendimento exige de cada uma e cada um de nós muito mais do que o senso comum. Porque, frequentemente, o senso comum é discriminatório, preconceituoso, reducionista, simplista, e, na maioria das vezes, flerta com a ideologia dominante. Por isso o senso comum é ostentado pela maioria.

    16. De outro lado, o bom senso, requer discernimento, visão, leitura crítica, autonomia de pensamento e coragem. Pois o bom senso caminha na contramão da ideologia dominante.

    17. Muitas vezes, o novo não leva à certeza de que será melhor. Contudo, o novo nos coloca na possibilidade da mudança, e nos desafia a aprofundar e fortalecer nosso entendimento da vida.

    18. Como Igreja, somos chamados a ser “uma parábola de amor” (Paulo Ueti). E ser essa parábola é estarmos prontas e prontos a acolher a todas as pessoas.

    19. O Concilio Diocesano é um espaço de encontro e de partilha. Nessa experiência, cada qual de nós temos a plena liberdade de nos expressar a partir do entendimento individual a respeito de cada tema a ser refletido, dialogado e decidido. Por isso, o Concilio é uma oportunidade de diálogo, reflexão e conversa na busca da unidade. Na busca de nos mantermos juntos na missão nos diferentes cantos de nossa Diocese.

    20. Muito especialmente, neste Concilio desejo que sejamos Guiados pelo amor a viver a Parábola do amor. O amor que é paciente, que não busca seus próprios interesses, que vive em comunidade.

    21. Guiados pelo amor estaremos também sendo guiados para a justiça.

    22. Muito especialmente, neste Concilio estará em nossa pauta o tema da mudança canônica que foi aprovado pelo Sínodo Geral da Igreja. E é importante recordar que o tema da sexualidade humana tem sido abordado na Igreja desde 1997, com a publicação da Carta Pastoral da Câmara Episcopal. Ao longo desses 21 anos, o diálogo, a reflexão e as conversas foram sendo construídas. E hoje temos um Cânon aprovado que acolhe o casamento para todas as pessoas.

    23. Aqui, exorto para que, guiados pelo amor, possamos exercer a nossa liberdade de diálogo, compreendo a decisão de cada qual, sempre garantindo o respeito.

    24. Os caminhos são construídos por passos. E, a cada passo, se constrói um novo caminhar.

    25. Não é demais recordar a palavra sábia do provérbio africano: “se você que ir rápido, vá sozinho. Mas se quiser ir longe, vá em grupo”.

    26. Neste Concílio, também estaremos mergulhando e aprofundando as ações do PLAD 2018-2022, o qual começamos a revisar em novembro de 2017.

    27. Reafirmamos nossa Missão: “Ser uma Igreja missionária, instrumento do anúncio e testemunho do Reino de Deus, por atos e palavras. Viver, na diversidade e inclusividade, o nosso jeito de ser Anglicano”.

    28. Reafirmamos nossa Visão: “Ser uma Igreja ousada e dinâmica no testemunho do Evangelho, na ação missionária e na promoção da vida, servindo no amor, na fidelidade e na solidariedade”.

    29. E reafirmamos o nosso Objetivo Geral: “Fortalecer as comunidades atuais, tornando-as missionárias, buscando a formação de novas comunidade, de forma que a Igreja seja inclusiva e terapêutica.”

    30. A partir dessa base, construímos quatro eixos de ação: • Multiplicar os dons e talentos existentes em cada comunidade; • Qualificar as comunidades para atender as pessoas violadas em seus direitos; • Divulgar e fortalecer o Ethos Anglicano; • Fortalecer o canal de comunicação direito e exclusivo com o público interno ativo.

    31. E ainda, unido ao PLAD, recordo os desafios da Carta Pastoral do ano passado, os quais ainda devemos seguir: • Formar grupos de estudo bíblico e formação para o discipulado intencional; • Aprofundar e construir ações para que nossas comunidades se tornem espaços seguros, comprometidos com o bem-estar físico, emocional e espiritual para as pessoas que sofrem abusos e discriminações.

    32. Por fim, e não por último, quero trazer à memória que estamos em ano de eleições gerais. Viver e ser guiados pelo amor é também demonstrar nossa indignação com a situação de crise ética, politica, econômica e institucional que passa o nosso país. E precisamos buscar votar em pessoas que se pautam pelos princípios que envolvem: a paz, a solidariedade às pessoas empobrecidas, a paixão pelo servir. Devemos eleger pessoas que estejam comprometidas com as causas da justiça e promoção social.

    33. E nunca é demais recordar que nosso compromisso se concretiza nas Marcas da Missão:

    • Proclamar as boas novas do Reinado de Deus; • Ensinar, batizar e nutrir os novos crente;

    • Responder às necessidades humanas com amor;

    • Procurar a transformação das estruturas injustas da sociedade, desafiar toda espécie de violência e buscar a paz e a reconciliação;

    • Lutar para salvaguardar a integridade da Criação, sustentar e renovar a vida na terra.

    Que estejamos unidos no caminhar, guiados pelo amor e, sendo parábola do amor de Deus, servindo e transformando vidas.

    Que o Amor de Deus nos Una.

    Amém.

    Mauricio Andrade +

    Bispo Diocesano


     
  • SNIEAB 16:21 on 22/08/2018 Permalink | Responder
    Tags: Bispa Marinez, Carta Pastoral,   

    Carta Pastoral da Bispa Marinez Bassotto ao povo da Diocese Anglicana da Amazônia 

    Carta Pastoral à 13ª reunião do Concílio da Diocese Anglicana da Amazônia, reunida na Catedral de Santa Maria, em Belém/PA, de 17 a 19 de agosto de 2018. AD.


    Muitas faces, muitos jeitos um só Cristo.

    “Ora, vocês são o corpo de Cristo e são membros dele, cada qual a sua maneira”

    (1º Coríntios 12:27)

    Ao Povo de Deus na Diocese Anglicana da Amazônia no ano de 2018 AD.

    Que a graça e a paz de Deus Pai, Mãe, a força libertadora de nosso Senhor Jesus Cristo, e a inspiração transformadora da Ruáh Divina, Espírito Santo de amor estejam com vocês!

    Sob a inspiração do tema e do lema conciliar: “Muitas faces, muitos jeitos, um só Cristo”, e “Ora, vocês são o corpo de Cristo e são membros dele, cada qual a sua maneira” (1ª Co 12.27) queremos partilhar a nossa Carta Pastoral. O Concílio é sempre uma oportunidade de partilha, avaliação, renovação e tomada de novos rumos para    a vida da Igreja diocesana. Este ano tem sido, para mim, um ano de adaptações,  tempo de aprendizado, de escuta e de profundas mudanças na minha vida pessoal e familiar.

    Assim como para mim, também para a vida da Diocese Anglicana da Amazônia é tempo de novidade, estamos iniciando uma nova caminhada, experenciando como diocese e como IEAB os significados do ministério episcopal feminino e nos “experimentando” mutuamente. É, portanto, tempo de expectativa, mas principalmente tempo de caminhada e de oração. Neste concílio, meu primeiro como Mãe e Pastora do rebanho que Deus me confiou, que são vocês, quero com fé, amor e alegria no coração desafiá-los em primeiro lugar, a refletir e compreender os muitos jeitos de Cristo expressos nas muitas faces daquelas pessoas que caminham conosco, chama- los(as) a conjuntamente renovarmos nossa fidelidade à missão de Deus no mundo / Missio Dei e a redobrarmos a disposição e a coragem para participar ativamente nesta missão.

    A Igreja, que somos nós, tem de ser fiel ao Evangelho, anunciando o amor transformador de Deus em Cristo. Por isso nesse Concilio, somos chamados(as) a fortalecer a Igreja, a refletir sobre nossa responsabilidade como discípulos e discípulas de Cristo para com a missão e o crescimento desta Igreja e sua presença transformadora na realidade em que vivemos. A centralidade da missão para a existência da Igreja e sua ação no mundo nunca pode deixar de ser enfatizada. Das mais variadas tradições Cristãs vem a mensagem clara de que a Igreja é missionária em sua essência. Ela existe para dar testemunho das Boas Novas do Reino. A dimensão missionária é parte da própria natureza da Igreja, é parte essencial da vida da Igreja, é sua razão de ser. Por isso desejamos que este Concílio seja um momento de renovação do Povo de Deus no compromisso com o Senhor e o seu Reino e possa ajudar-nos a dar novos passos em direção a vivência desta fé missionária no poder do Espírito Santo.

    Missão e Evangelização caminham unidas, tomar consciência de que a Missão é de Deus, acolher a diversidade expressa nos muitos jeitos e muitas faces deste Cristo no qual cremos, e acolher com alegria a ação renovadora e transformadora do Espírito Santo são os meios eficazes para tornar efetiva a ação evangelizadora da Igreja. Tudo isso precisa acontecer a partir de nossas paróquias/Missões/Pontos Missionários. A redescoberta do Reino de Deus como Boas Novas que anunciamos é a chave para a renovação da missão e assim, também para a evangelização que contempla a mensagem da salvação pessoal, mas também do serviço, da compaixão e da transformação social como o próprio Cristo fez.

    O segundo desafio que proponho é o de que compreendamos que precisamos ser mais do que apenas uma “instituição”, precisamos ser COMUNIDADE. Precisamos tomar consciência de que somos CORPO, membros do corpo do próprio Cristo, que fazemos parte deste corpo do jeito que somos, e que essa ligação intrínseca com Cristo nos compromete com a sua missão. E isto significa que somos chamados(as) a desencadear em nossas comunidades uma expansão da nossa presença missionária, em fidelidade ao chamado apostólico de testemunhar a fé, a justiça, a paz e o amor onde a nossa sociedade vive a violência, a injustiça, o medo, a exclusão e a dor. Fazer missão e evangelizar não significa fazer “prosélitos(as)”. O proselitismo é apenas uma forma de fazer as pessoas sentarem nos bancos das igrejas. Cristo nos envia a palmilharmos os caminhos de nosso mundo como um sinal de sua presença redentora. Cristo nos chama para mudarmos a vida, pois o Reino de Deus está chegando. Nossa missão é um consagrar-nos à vontade de Deus. Jesus Cristo, encarnação plena de Deus em nosso mundo, é o princípio e o fim de nossa ação na sociedade, princípio e modelo da missão ( Jo 20.21-22). É em nome de Cristo e na força do Espírito Santo que somos enviados(as) (Jo 17.16-22).

    Foi necessário que o próprio Deus se fizesse “carne”, “gente” como nós, e assim vivesse uma vida de perfeito serviço e entrega para nos dar o exemplo e nos mostrar que o nosso papel como Igreja Evangelizadora e Missionária é sermos acolhedores(as) e servidores(as). A missão e evangelização devem ser entendidas como serviço as outras pessoas, jamais como conquista e dominação, assim sendo, uma Igreja Missionária deve acolher o diferente / as diferenças com admiração e respeito, pois nele / nelas o Deus de Jesus se faz presente. E deve ir ao encontro das pessoas nos diversos níveis, lugares e circunstâncias, pois também hoje, Cristo revela-se na história e nos espaços concretos da vida humana.

    A partir destes dois desafios (a compreensão dos muitos jeitos de Cristo expressos nas muitas faces daquelas pessoas que caminham conosco e a consciência de que somos parte do Corpo do próprio Cristo), e tendo como foco a missão e evangelização, quero chama-los(as) a engajarem-se no que hoje a Comunhão Anglicana denomina Discipulado Intencional. O discipulado é uma experiência ativa com o reino de Deus, um caminho de fé que revela a presença de Cristo entre nós. Os primeiros discípulos deixaram as redes, pai, mãe, os companheiros(as) de trabalho, casa, família, amigos e amigas, para acompanharem Jesus. As pessoas que se colocaram aos pés de Jesus foram por ele chamadas de família, experimentaram a comunhão física com o Filho encarnado e amado de Deus e se tornaram a extensão de seu próprio corpo, de seu agir no mundo. Mas isso exigiu um deslocamento, um movimento visível, que incluiu gestos, ações, ensinamentos e práticas em comunhão com Jesus.

    O discipulado do qual nos fala a Comunhão Anglicana, é intencional – ou seja – é opção, escolha consciente, e acontece também através da comunhão estreita com Jesus Cristo. Não mais uma comunhão física, direta, mas experimentada pela fé e pela participação no corpo de Cristo (que é a Igreja). Uma comunhão que, assim como ocorria anteriormente à morte e ressurreição de Jesus, inclui gestos, práticas, ações, ensinamentos que se articulam através da vivência da Palavra, da prática da Diaconia, do testemunho público e de cidadania, da vivência comunitária, da formação e da graça vivida nos sacramentos. O corpo de Cristo é o lugar visível onde o chamado de Jesus ecoa e o discipulado expressa-se e toma forma de rede que salva vidas. Assim como no tempo de Jesus, o discipulado hoje exige um rompimento com a sociedade cheia de preconceitos, intolerâncias, discriminações e violências. Esse discipulado abre nossas vidas, amplia nossos horizontes, alarga nossa visão, transforma nosso coração – porque o próprio Cristo vem morar e ter comunhão conosco. No batismo, acontece o chamado de Jesus e, a partir dele, a comunhão com o Corpo de Cristo.

    Queridos irmãos e irmãs, hoje, agora, neste Concílio, e a partir dele – como Igreja Diocesana – nós estamos sendo convocados e convocadas a assumirmos nosso discipulado intencional, sendo novamente chamados e chamadas a tomar parte na família de Cristo, a encontrar nosso lugar no Corpo de Cristo, desafiados e desafiadas a assumir de fato o compromisso de inclusão e acolhimento dos muitos jeitos e muitas faces que expressam a diversidade contida no próprio Cristo. Tudo isso nos desacomoda, por vezes até nos desagrada… Não é fácil assumir a Missão segundo os critérios de Cristo – e não segundo os nossos critérios. Mas o Espírito de Deus está sobre nós, e Ele é o nosso fôlego e a nossa coragem. Desde os primeiros tempos do cristianismo o Espírito de Deus capacitou a Igreja, mas mais do que isso – desacomodou a Igreja. E é por isso que ouvir a voz do Espírito não é fácil… e não está sendo hoje, mas desde o princípio aquelas pessoas que temiam foram encorajadas; aquelas que se escondiam foram descobertas (quiseram se mostrar); aquelas que não acreditavam foram convertidas, as que se sentiam intimidadas foram impulsionadas, as que não entendiam foram esclarecidas, e todas, sem exceção, foram transformadas.

    Eu acredito na ação do Espírito Santo e sei que a partir dela tudo na vida da Igreja Primitiva mudou: as portas trancadas se abriram, as línguas caladas se soltaram, a Igreja amedrontada e escondida saiu para pregar em praça pública. Portanto sei que desde os primórdios do cristianismo a Igreja sempre foi e é marcada por transformação e compromisso – e estou segura de que estes dias de Concílio certamente mostrarão isso, porque Espírito Santo de Deus não restringiu a sua ação apenas aos tempos antigos, não estava somente sobre os nossos(as) antepassados(as), Ele hoje está sobre nós, está dentro de nós, Ele está conosco e é Ruáh, vento renovador, fogo transformador que impulsiona, encoraja e compromete.

    Que esse novo tempo que estamos inaugurando nos anime a renovar a devoção em nossas Paróquias/Missões/Pontos Missionários, a renovar nosso compromisso com o Corpo de Cristo (que é a Igreja), renovar a vivência de nossa fé em comunidade, renovar nossa ação na sociedade, renovar nossas esperanças, de modo que nossa adoração e ministérios sejam expressão de um Discipulado Intencional e compromissado.

    Como Diocese temos grandes desafios, mas onde há desafios há oportunidades. Nossas comunidades precisam ser verdadeiros centros da missão. Portanto, oremos e peçamos a Deus que transforme as vidas humanas por sua profunda e poderosa ação, começando pelas nossas. Que tenhamos a coragem de aceitar o chamado do discipulado, o chamado para ser Corpo de Cristo, para ser Igreja Missionária e desta forma sintamos fluir em nós e a través de nós a maravilhosa e poderosa vontade de Deus. Que assim seja!

    Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

    + Marinez Bassotto

    Belém, 17 de agosto de 2018. AD.

     
c
escrever um novo post
j
próximo post/próximo comentário
k
post anterior/comentário anterior
r
responder
e
editar
o
mostrar/esconder comentários
t
topo
l
go to login
h
show/hide help
esc
cancelar