Tagged: Câmara Episcopal RSS

  • SNIEAB 17:54 on 15/10/2018 Permalink | Responder
    Tags: , Câmara Episcopal,   

    PRONUNCIAMENTO DA CÂMARA EPISCOPAL NO MOMENTO HISTÓRICO BRASILEIRO DIANTE DO SEGUNDO TURNO DAS ELEIÇÕES 

    Não há medo no amor,

    Ao contrário: o perfeito amor lança fora todo o medo (1Jo 4:18ª)

    Ai de mim se eu não anunciar boas notícias” (1Cor 9:16). A Câmara Episcopal da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil vem a público conclamar as pessoas que participam de nossa igreja e a sociedade brasileira para uma séria reflexão sobre o segundo turno das eleições presidenciais e para governadores e governadoras nos estados. Vivemos um momento em que comportamentos agressivos, intolerantes e a disseminação de notícias falsas por si só violam frontalmente princípios de fé inegociáveis. Seguidores e seguidoras de Jesus não podem ignorar o quanto, nosso Senhor Jesus Cristo, exaltou quem é mansa, as pacificadoras, as pessoas perseguidas por causa da justiça (Mt 5.9). Pois, a verdadeira religião é a prática do amor, amar a bondade e a prática do direito e da justiça para todas as pessoas (cf Jr 9.23; Mq 6.8; Tg 1.9).

    A questão não é que haja conflito na sociedade. Todas as sociedades humanas, em todos os tempos e lugares, convivem com o conflito. Ele expressa, em termos elementares, o inconformismo com a injustiça, a violação de direitos, a opressão econômica, a discriminação. O que nos preocupa como pastores e pastoras é a incitação ao mesmo pela negação ao debate e ao diálogo, pelo ódio a quem pensa diferente e pelo uso da mentira como arma para demonizar pessoas e projetos.

    A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil faz parte da Comunhão Anglicana presente em mais de 150 países do mundo e que, através de seus documentos de reflexão teológica e de posicionamentos públicos, tem se colocado sem reservas ao lado dos direitos humanos e do respeito a instituições públicas que os assegurem, por meio de ações concretas de promoção da justiça e da paz. É uma comunhão de igrejas que respeita e mesmo acolhe o dissenso, a pluralidade de visões sobre a fé e as opções sociais e políticas de seus membros. É uma igreja que se esforça por construir um caminho de acolhimento, de convivência plural pacífica, em meio às diferenças doutrinárias, éticas e de condição social de todas as pessoas. Preocupa-nos quando irmãos e irmãs de nossa igreja se fecham ao chamado que lhe faz sua própria tradição de fé ao discernimento sério do caminho a seguir.

    Não podemos concordar com o uso de linguagem que agride, xinga, mente e desrespeita como caminho para o enfrentamento das diferenças políticas e ideológicas; que glorifica e incita a violência como caminho para a solução de problemas sociais, políticos ou econômicos; que expressa claro descompromisso com padrões mundialmente aceitos de proteção social e garantia de direitos dos pobres, das mulheres e das minorias. O momento que vivemos em nosso país demanda de nós que saibamos reconhecer a árvore pelos seus frutos, que não esqueçamos, num país de maioria cristã, as consequências de manifestarem o que creem ser o legado da tradição ou a verdade bíblica, de que sem conhecimento o povo cai e é desencaminhado, sem lideranças sábias e justas a desagregação e a destruição do futuro sobrevêm, sem a verdade não há como construir a paz e a justiça almejadas.

    Reconhecemos que as igrejas e a sociedade brasileira estão divididas, mas apelamos ao discernimento, através da reflexão e oração, com vistas à convivência harmônica das grandes maiorias e respeitando as minorias, com vistas à construção de políticas públicas que enfrentem os problemas brasileiros em clima de absoluto e incondicional respeito às instituições democráticas. Avaliar seriamente programas, não minimizar ou ignorar os sinais que nos chegam de todos os lados – das pessoas agredidas por causa de sua forma de ser ou de pensar, da opinião pública internacional alarmada com os rumos do Brasil, dos intelectuais e ativistas sociais que estudam a fundo nossa realidade e atuam no dia-a-dia das comunidades e nas redes nacionais e internacionais de ação social e de lideranças religiosas que nos admoestam que, tendo Jesus como modelo, precisamos de palavras e ações que produzam solidariedade, curem, cuidem e transformem para o bem comum.

    Aos cristãos e cristãs deste país, desafiamos a que leiam de forma profunda e em oração a sua Bíblia, confrontando as mensagens que claramente se opõem ao Evangelho de Jesus, evitando usar o nome de Deus em vão, sacralizando propostas anticristãs e antidemocráticas ou julgando sumariamente como se fossem Deus. Da escolha que vamos fazer neste momento estarão em jogo muito mais do que os próximos quatro anos de um governo. Todos os sinais apontam para o incremento da violência e a discriminação gerando grave risco à liberdade, à justiça e à paz. Que façamos nossa escolha guiadas/os por essas três referências. Só assim dignificaremos nossa identidade anglicana e cristã, só assim provaremos nossos compromissos democráticos. Oremos juntos/as o Salmo 146 (145).

    Curitiba,15 de Outubro de 2018

    Bispo Naudal Alves Gomes – Diocese Anglicana do Paraná – Primaz da IEAB

    Bispo Maurício Andrade – Diocese Anglicana de Brasília

    Bispo Renato Raatz – Diocese Anglicana de Pelotas

    Bispo Francisco de Assis da Silva – Diocese Sul Ocidental

    Bispo João Câncio Peixoto – Diocese Anglicana do Recife

    Bispo Humberto Maiztegui – Diocese Meridional

    Bispo Eduardo Coelho Grillo – Diocese Anglicana do Rio de Janeiro

    Bispa Marinez Rosa dos Santos Bassotto – Diocese Anglicana da Amazônia

    Bispo Clovis Erly Rodrigues – Emérito

    Bispo Almir dos Santos – Emérito

    Bispo Celso de Oliveira Franco – Emérito

    Bispo Jubal Pereira Neves – Emérito

    Bispo Orlando Santos de Oliveira – Emérito

    Bispo Filadelfo Oliveira Neto – Emérito

    Bispo Saulo de Barros – Emérito

     
  • SNIEAB 8:52 on 12/12/2017 Permalink | Responder
    Tags: Câmara Episcopal, ,   

    Nota de Repúdio da Câmara Episcopal da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil contra a violência policial dirigida às Universidades 

    Santa Maria, 11 de Dezembro de  2017

    E o efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança para sempre. Isaías 32:17

    Uma das instituições que tem sido alvo de um perigoso processo de intimidação na conjuntura brasileira deste governo ilegítimo é a Universidade.

    Por um lado se percebe a sistemática construção de um desmonte orçamentário que compromete indubitavelmente a execução orçamentária de programas de pesquisa e, inclusive a manutenção de serviços básicos nas instituições de ensino superior.

    Além disso, tem sido visível a remoção por critérios políticos de quadros dirigentes que se opõem a este desmonte, em um processo que só encontra similaridade com idênticos processos utilizados no período da ditadura militar.

    Por último, o próprio poder judiciário e a Polícia Federal, sob a justificativa de combate à corrupção, promove espetáculos cinematográficos de condução coercitiva de dirigentes de Universidade sem nenhuma justificativa plausível, em meio a processos investigatórios correndo dentro de uma absoluta normalidade processual.

    Este último episódio ocorrido com dirigentes da UFMG nos preocupa porque há pouco tempo tivemos o cometimento de suicídio de reitor de uma universidade no estado de Santa Catarina devido ao abuso de autoridade cometido pela Polícia Federal em situação de investigação e sem a devida formação de culpa comprovada contra o acusado.

    Nos preocupa a sistemática adoção de práticas que ferem o Estado democrático de Direito que redundam em coerção e quebra do princípio da autonomia das Universidades, que se aplicadas indiscriminadamente criam o precedente para que outras instituições venham ser alvo de de perseguição dos aparelhos investigativos do Estado.

    Pautamos nosso protesto pela defesa dos princípios da racionalidade, impessoalidade, ampla defesa e estrita obediência à garantia da integridade física e psicológica de todas as pessoas, inclusive aquelas que sejam alvos de investigação sem que a formação da culpa esteja materialmente e legalmente concluída.

    O Estado de Direito pressupõe instituições sólidas, livres e onde a justiça seja praticada e aplicada com o predomínio da objetividade, clareza e materialidade. Quando a justiça depender mais de performance midiática de seus agentes estamos toda a sociedade em sério risco.


    Dom Francisco de Assis da Silva, Diocese Sul Ocidental – Primaz da IEAB

    Dom Naudal Alves Gomes, Diocese de Curitiba

    Dom Mauricio Andrade, Diocese de Brasília

    Dom João Câncio Peixoto, Diocese do Recife

    Dom Eduardo Grillo, Diocese do Rio de Janeiro

    Dom Clovis Erly Rodrigues, Emérito

    Dom Almir dos Santos, Emérito

    Dom Celso Franco, Emérito

    Dom Jubal Pereira Neves, Emérito

    Dom Orlando Santos, Emérito

    Dom Filadelfo Oliveira Neto, Emérito

    Dom Saulo Barros, Emérito

     
c
escrever um novo post
j
próximo post/próximo comentário
k
post anterior/comentário anterior
r
responder
e
editar
o
mostrar/esconder comentários
t
topo
l
go to login
h
show/hide help
esc
cancelar