Atualizações recentes Página 2 RSS Toggle Comment Threads | Atalhos de teclado

  • SNIEAB 14:26 on 04/02/2019 Permalink | Responder
    Tags: Consulta Internacional de Liturgia Anglicana, ,   

    Consulta Internacional de Liturgia Anglicana (IALC) – Encontro de 2019 em Hong Kong – Comunicado 

    Encontro de 2019 em Hong Kong – Comunicado


    A Consulta Internacional de Liturgia Anglicana reuniu-se em Hong Kong, de 21 a 25 de janeiro de 2019. A Consulta foi calorosamente recebida pela Hong Kong Sheng Kung Hui e agradece pelas instalações colocadas à sua disposição pela Catedral de São João Teólogo da Diocese da Ilha de Hong Kong, na pessoa do reitor, o Revmo. Matthias Tze Wo Der. A reunião também agradece o apoio e assistência dos seminaristas da Faculdade de Teologia Ming Hua. O Escritório da Comunhão Anglicana foi representado na reunião pelo Rev. Neil Vigers, Executivo do Programa para Unidade, Fé e Ordem. Havia membros representantes de 21 Igrejas da Comunhão. Esta foi a primeira reunião completa da IALC desde que a decisão de Montreal 2015 quanto a não mais coincidir suas reuniões com os congressos da sociedade ecumênica internacional Societas Liturgica.


    Foi, portanto, um prazer reconhecer que mais da metade das Igrejas da Comunhão Anglicana enviou representação à reunião. Também foi importante notar que metade dos participantes estavam se juntando à Consulta pela primeira vez. A IALC pôde apoiar a participação de alguns membros através do fundo de bolsas. Serão necessárias doações significativas de bolsas para assegurar essa participação em futuras reuniões.

    Durante a semana, o ofício diário foi oficiado por equipes das várias regiões da Comunhão. A Consulta teve a honra de ser convidada pelo Primaz, Arcebispo Paul Kwong, para uma celebração da Eucaristia presidida por ele. O ofício celebrou a memória da Rev. Florence Li Tim-oi, na véspera do aniversário de sua ordenação, em 25 de janeiro de 1944. Ela foi a primeira mulher a ser ordenada ao sacerdócio na Comunhão Anglicana. A reunião também teve o prazer de se juntar à congregação da Catedral de São João e à comunidade cristã mais ampla de Hong Kong em uma liturgia para a semana de oração pela unidade das pessoas cristãs.

    Relatórios das Igrejas e Províncias

    Os relatórios provinciais indicaram um movimento significativo em várias províncias no tocante à revisão de livros de oração, hinários e textos litúrgicos, que enfatizaram a importância da IALC em relação ao compartilhamento de conhecimento, recursos e processos. No contexto da revisão de calendários, várias províncias têm considerado maneiras de incorporar santos, santas e mártires locais e indígenas.

    Várias Igrejas relataram sobre o trabalho que estavam realizando em relação a referências de gênero para Deus, particularmente em textos em línguas neolatinas. A partir desses relatos de contextos muito diferentes, reconheceu-se que as questões levantadas pela linguagem inclusiva e pelas linguagens de gênero exigiam respostas cuidadosas e contextualmente apropriadas sobre as quais trabalho adicional seria necessário.

    A Consulta também recebeu um relatório da Rede Litúrgica Anglicana da Ásia Oriental, que havia sido estabelecida em 2017 na Coréia e se reuniu para sua primeira conferência em 2018 no Japão.

    Trabalho quanto a orações pela unidade na Comunhão

    A pedido do Grupo de Trabalho dos Primazes, a reunião se empenhou em preparar recursos e material litúrgico relative ao conceito de unidade da Comunhão Anglicana. Esse trabalho foi realizado durante a semana de oração pela unidade das pessoas cristãs, reconhecendo que, como anglicanos(as), nossos próprios ‘laços afetivos’ foram testados nas últimas décadas.

    Nossa unidade, no entanto, não pode significar uniformidade, já que nossas muitas culturas, idiomas e formas de incorporar e ampliar as tradições anglicanas que herdamos, crescem cada vez mais diversificadas. O Grupo de Trabalho dos Primazes pediu à IALC material que pudesse ser incluído tanto na celebração eucarística como nos ofícios da palavra. A reunião não forneceu ofícios completos de nenhum tipo.


    Declarações anteriores da IALC, especialmente as de Praga e Dublin, oferecem diretrizes para a estrutura litúrgica e para elementos típicos que podem ser incluídos em liturgias eucarísticas e outras. Em vez disso, a reunião desenvolveu uma série de recursos litúrgicos de diferentes tipos, havendo também a sugestão de leituras bíblicas e sentenças das Escrituras para uso em liturgias onde a unidade, e a unidade da Comunhão em particular, é o tema.

    Formação litúrgica e educação teológica

    Na Consulta de Montreal, em 2015, os relatórios das províncias expressaram preocupação com o treinamento e formação litúrgica inadequados do clero e lideranças leigas, e que a educação litúrgica não era mais vista como prioridade em muitos seminários e esquemas de treinamento ministerial. Levando em consideração essas preocupações, uma parte significativa do trabalho em Hong Kong foi destinada a fim de considerar os elementos centrais e o contexto da formação litúrgica para o ministério.

    A Consulta começou seu trabalho em ouvir os diferentes contextos em que a formação litúrgica está ocorrendo. A partir desses diferentes contextos, a reunião identificou as principais competências teológicas e práticas que são essenciais em todas as Igrejas da Comunhão Anglicana. Parte deste trabalho está sendo relatado para a Educação Teológica para a Comunhão Anglicana (TEAC), uma vez que eles dão mais atenção a requisitos das grades de várias formas de ministério e discipulado cristão nas Igrejas da Comunhão Anglicana.

    Levar a palavra adiante

    O trabalho da reunião foi agora passado ao Comitê Diretivo, que apresentará declarações completas para apresentação ao Conselho Consultivo Anglicano (ACC) em sua reunião em Hong Kong no final deste ano.

    Reunião Diretiva

    A reunião aceitou uma resolução do Comitê Diretivo a fim de clarificar regras da rede e confirmar que o Comitê Diretivo pode cooptar indivíduos para ajudar em temas específicos de trabalho, ou na coordenação e planejamento de uma reunião da Consulta. A reunião também aceitou uma resolução adicional que obriga o(a) Presidente(a) que está no final de seu mandato da IALC a continuar, ex-officio, como membro do Comitê Diretivo por um curto período de tempo, a fim de garantir que o trabalho realizado em uma reunião seja concluído e relatado. A reunião também elaborou uma resolução para o ACC sobre o compartilhamento de material litúrgico entre as Igrejas da Comunhão. A reunião elegeu quatro novos membros para o Comitê Diretor.


    Os membros integrais do Comitê de Direção nomeado para servir a IALC a partir desta reunião são:

    Christine Benoit (nova) – Igreja Anglicana do Oceano Índico

    Luiz Coelho (novo) – Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

    Dane Courtney – Igreja Anglicana da Austrália

    Keith Griffiths – Igreja Anglicana do Sul da África

    Simon Jones (novo) – Igreja da Inglaterra

    Chun Wai Lam (novo) – Hong Kong Sheng Kung Hui

    Lizette Larson-Miller – Igreja Anglicana do Canadá (ex-officio)

    Cynthia Botha – Igreja Anglicana do Sul da África (Secretária)

    Neil Vigers- Escritório da Comunhão Anglicana

    Participantes da Consulta

    Fereimi Cama – Igreja Anglicana em Aotearoa, Nova Zelândia e Polinésia

    Chris Chataway – Igreja Anglicana da Austrália

    Doug Morrison-Cleary – Igreja Anglicana da Austrália

    Elizabeth Smith – Igreja Anglicana da Austrália

    Dane Courtney – Igreja Anglicana da Austrália

    Luiz Coelho – Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

    Douglas Fenton – Igreja Anglicana do Canadá

    Lizette Larson-Miller – Igreja Anglicana do Canadá

    Brighton Malasa – Igreja da Província da África Central

    Lakshman Daniel – Igreja do Ceilão

    Harvey Howlett – Igreja da Inglaterra

    Simon Jones – Igreja da Inglaterra

    Chun Wai Lam – Hong Kong Sheng Kung Hui

    Christine Benoit – Igreja Anglicana do Oceano Índico

    Gilbert Rateloson – Igreja Anglicana do Oceano Índico

    Gerald Field – Igreja da Irlanda

    Alan Rufli – Igreja da Irlanda

    Nak-Hyon Joseph Joo – Igreja Anglicana da Coréia

    Stephen Ofo-Ob – Igreja Episcopal nas Filipinas

    Shintaro Ichihara – Nippon Sei Ko Kai (Comunhão Anglicana no Japão)

    Ryo Nagatani – Nippon Sei Ko Kai (Comunhão Anglicana no Japão)

    Saya Ojiri Nippon – Sei Ko Kai (Comunhão Anglicana no Japão)

    John Davies – Igreja Episcopal Escocesa

    Moses Chin – Igreja da Província do Sudeste Asiático

    Bismark Avokaya – Igreja Episcopal do Sudão do Sul

    Cynthia Botha – Igreja Anglicana do Sul da África

    Keith Griffiths – Igreja Anglicana do Sul da África

    Daniel Musa – Igreja Episcopal do Sudão

    Bruce Jenneker – Igreja Episcopal

    Jason Lucas – Igreja Episcopal

    Ruth Meyers – Igreja Episcopal

    Catherine Haynes – Igreja no País de Gales

    Neil Vigers  – Escritório da Comunhão Anglicana


     
  • SNIEAB 11:54 on 29/01/2019 Permalink | Responder
    Tags: Internacional Seafarers   

    Clérigos da IEAB participam de Treinamento de Capelania Portuária oferecido pela Houston Internacional Seafarers 

    Durante esta semana acontecerá um curso de capelania portuária, voltado ao treinamento pastoral, oferecido pela Houston Internacional Seafarers Center em Houston/TX. A IEAB conta com representações nesse evento, são eles: Revdo. Elias Barata da Diocese Anglicana da Amazônia e o Bispo Filadelfo Oliveira, da Missão aos Marítimos.

    Foto: Internacional Seafarers Center

     
  • SNIEAB 10:56 on 29/01/2019 Permalink | Responder
    Tags: , , Interreligioso   

    IEAB participa de encontros interreligiosos em favor dos Direitos Humanos e da Liberdade Religiosa 

    O ano de 2019 iniciou-se com um forte desejo de diálogo e unidade, por isso, a IEAB se fez presente no dia 21/01 nos encontros com as mais diversas confissões cristãs e tradições religiosas para celebrar o amor e o respeito, pedindo por liberdade religiosa e o fim da intolerância e violência por motivos religiosos no Brasil. Também declarou sua missão de defender os Direitos Humanos para todas as pessoas.

    Em Porto Alegre/RS, com a representação do Bispo Humberto Maiztegui da Diocese Meridional

    Crédito das Fotos – Matriz Africana

    Em Salvador/BA, com a representação de Revda. Bianca Daebs e Revdo. Bruno Almeida do Arcediagado da Bahia, da Diocese Anglicana do Recife.

    Crédito das fotos – Focolare Bahia

     
  • SNIEAB 9:10 on 29/01/2019 Permalink | Responder
    Tags: , , , Palestina   

    Encontro entre representantes de igrejas brasileiras e palestinas acontece em Brasília 

    Aconteceu em Brasília/DF no dia 28/01, o encontro entre representantes de igrejas brasileiras e palestinas. A atividade foi realizada na sede da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Brasília – EQS 405/406 – Asa Sul.


    Temas como a possível transferência da Embaixada brasileira de Israel para Jerusalém, o fortalecimento das relações entre igrejas do Brasil e da Palestina e a questão das peregrinações à Terra Santa estiveram na pauta.


    Após o encontro, no mesmo local, os participantes ficaram à disposição para uma coletiva de imprensa sobre os temas ali tratados, com o suporte de tradutores. A Revda. Deã Tatiana Ribeiro, da Catedral Anglicana de Brasília (DAB) representou a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB.

    Texto: CONIC (com adaptações do SNIEAB)

    Fotos: CONIC


     
  • SNIEAB 16:14 on 18/01/2019 Permalink | Responder
    Tags: ACNS, ,   

    Serviço de Notícias da Comunhão Anglicana terá resumo semanal em língua portuguesa 

    Estamos avançando nesta importante área de inclusão e de reconhecimento de que a Comunhão Anglicana é uma comunhão de diferentes idiomas também. Agora mais um passo. Temos um resumo semanal em Português. Espero que vocês apreciem e sintam-se encorajadas/os e comprometidas/os em enviar noticias de suas dioceses, ministérios, opiniões, artigos para que possam ser compartilhados.

    Paulo Ueti – Anglican Alliance
     
  • SNIEAB 13:39 on 08/01/2019 Permalink | Responder
    Tags: , IASCUFO, ,   

    Comunicado da Comissão InterAnglicana para Unidade, Fé e Constituição – IASCUFO 

    Crédito da foto: ACO/ Neil Vigers

    A Comissão Interanglicana para Unidade, Fé e Constituição se encontrou na Catedral de Durham, Inglaterra, santuário de Santo Cuthbert, de 7 a 12 de dezembro, no território da Diocese de Durham, na Província de York da Igreja da Inglaterra. O encontro foi fortalecido e enriquecido pela participação na oração diária da catedral, incluindo celebrações da Eucaristia, oração da manhã (laudes) e tarde (vésperas). A Comissão se alegrou em dar as boas vindas ao Bispo Michael Lewis, Bispo em Chipre e Golfo (consultor da comissão), David White (Chefe Executivo do escritório da Comunhão Anglicana-ACO), o Revdo Canon Dr. Stephen Spencer (Diretor para a Educação Teológica no Escritório da Comunhão Anglicana-ACO) e a Srta. Lucy Cowpland (Assistente Administrativa para a Comissão para Unidade, Fé e Constituição e Depto de Comunicações do Escritório da Comunhão-ACO).

    A Comissão foi generosamente acolhida pela Catedral de Durham, seu deão Revdo. Andrew Tremlett e equipe, particularmente o Revdo. Canon Professor Simon Oliver (ele mesmo membro desta Comissão). A Comissão também apreciou deveras a hospitalidade do Bispo de Durham, sua Reverendíssima Paul Butler, no Castelo de Auckland e em sua residência. As pessoas da Comissão ficaram felizes em interagir com alguns membros do Departamento de Teologia e Religião da Universidade de Durham. Esta universidade oferece validação para instituições de educação teológica em toda a Igreja da Inglaterra. Os membros da Comissão apreciaram a oportunidade de visitar a histórica biblioteca da Catedral. Elas/es tiveram uma profunda experiência espiritual através da peregrinação a velas pela igreja da Catedral dirigida pelo Canon Oliver.

    O mandato da Comissão Executiva InterAnglicana para Unidade, Fé e Ordem define e direciona seu trabalho. A Comissão tem como responsabilidade:

    • Promover o aprofundamento da Comunhão entre as Igrejas da Comunhão Anglicana, e entre essas Igrejas e as outras igrejas e tradições da oikoumene cristã;
    • Aconselhar as Províncias e os Instrumentos de Comunhão em toda as questões de engajamento ecumênico, propostas para acordos ecumênicos em nível nacional, regional ou internacional e esquemas de cooperação e unificação, bem como em questões que tocam a Fé e Ordem (doutrina) anglicanas;
    • Rever e analisar os desenvolvimentos nas áreas da fé, ordem ou unidade na Comunhão Anglicana e entre parceiros ecumênicos, e dar conselhos para as Igrejas da Comunhão Anglicana ou para os Instrumentos de Comunhão sobre as mesmas áreas, com a intenção de promover a mútua compreensão, consistência e convergência tanto nos assuntos da Comunhão Anglicana quanto nos seus engajamentos ecumênicos;
    • Dar assistência a qualquer Província na avaliação de novas propostas de Unidade, Fé e Ordem se e quando requerida.

    O Canon Spencer apresentou o trabalho do Departamento de Educação Teológica da Comunhão Anglicana, provocando um grande espaço de discussão sobre a mesma na Comunhão. IASCUFO foi animada pelo renovado compromisso em apoiar a educação teológica, oferecer recursos e fortalecer a capacidade de fazer teologia em toda a Comunhão. IASCUFO reconhecer como muito válida a proposta de que as instituições de educação teológica deveriam formar parcerias como um jeito criativo de compartilhar e ampliar o trabalho de educação. Os membros da IASCUFO trabalharão em conjunto com Dr. Spencer e a equipe do Departamento para produzir recursos educacionais a partir dos documentos ecumênicos da Comunhão para continuar explorando questões teológica e doutrinais.

    Caminhando no caminho: aprendendo a ser Igreja – Documento em Inglês e Comentários Anglicano e Católico Romano em Inglês (2017), Declaração conjunta da Comissão Internacional Anglicano-Católica Romana (ARCIC III), foi apresentada pelo Revdo. Canon Dr. John Gibaut (ACO) e pelo Professor Paul Murray (Universidade de Durham), os quais tiveram um papel importante na elaboração da mesma. IASCUFO estava particularmente interessada no uso da metodologia adotada pela Comissão para a Recepção de Acordos Ecumênicos. Esta Declaração foi recomendado para o próximo encontro do Conselho Consultivo Anglicano (CCA) que acontecerá em Hong Kong em abril de 2019 (ACC17). IASCUFO também recebeu e recomendou para o encontro do ACC17 a Declaração Conjunta A procedência e o ministério do Espírito Santo – Documento em Inglês (2017), resultado dos trabalhos da Comissão Internacional Anglicano-Ortodoxa Oriental. Como pedido, IASCUFO respondeu as propostas vindas das discussões entre a Igreja Episcopal dos Estados Unidos da América (TEC) e a Igreja Evangélica Luterana na Bavária (Alemanha). Ainda, IASCUFO considerou e endossou recomendações para clarificar e melhorar os atuais procedimentos para que a Comunhão Anglicana formalmente receba, através de processos de estudo e análise, relatórios e declarações que chegam dos diálogos ecumênicos.

    No contexto do seu trabalho sobre a vida da Comunhão, IASCUFO propôs ao Comitê Executivo que os ritos litúrgicos, particularmente os que referem às liturgias de iniciação, eucaristia e ordenação, sejam incluídos entre os elementos que são considerados quando o pedido de uma nova província chega, junto com os aspectos de sustentabilidade e organização provincial, seus cânones e sua perspectiva em termos de missão.

    IASCUFO continua a estudar as questões de antropologia teológica, considerando nossa humanidade comum como pessoas criadas a imagem e semelhança de Deus. Entender a imagem de Deus em termos de chamado divino e dom divino aprofunda nossa compreensão do que significa participar na mesma bem como incarnar a missão da igreja para um mundo quebrantado e ferido. IASCUFO espera completar seu trabalho no que tange ao documento de antropologia teológica no seu próximo encontro em 2019 para compartilhar com toda a Comunhão.

    Os membros da IASCUFO desejam expressar sua profunda gratidão ao Canon Gibaut, Revdo. Neil Vigers e Srta Lucy Cowpland pelo seu apoio excelente e minucioso para que o trabalho não só da Comissão, mas de toda as outras dimensões da vida da Comunhão e de suas relações ecumênicas.

    Presentes:

    Sua Reverendíssima Professor Stephen Pickard (Igreja Anglicana da Austrália – Presidente interino)

    Revdo. Canon Dr Steven Abbarow (Província da Ásia Sul-Oriental)

    Sua Reverendíssima Dr Victor Atta-Baffoe (Província da África Ocidental)

    Revdo. Professor Paul Avis (Igreja da Inglaterra)

    Sua Reverendíssima Dr Howard Gregory (Província de West Indies)

    Sua Reverendíssima Kumara Illangasinghe (Igreja do Ceilão)

    Revdo. Nak-Hyon Joo (Consulta Internacional de Liturgia Anglicana)

    Sua Reverendíssima Michael Lewis (Província de Jerusalém e Oriente Médio)

    Sua Reverendíssima Victoria Matthews (Igreja Anglicana em Aotearoa, Nova Zelândia e Polinésia)

    Revda. Canon Professor Charlotte Methuen (Igreja da Inglaterra)

    Revdo. Canon Professor Simon Oliver (Igreja da Inglaterra)

    Professor Andrew Pierce (Igreja da Irlanda)

    Deã Revda. Dr Sarah Rowland Jones (Igreja do País de Gales)

    Professor Paulo Ueti (Anglican Alliance)

    Revdo. Professor Jeremiah Yang (Igreja Anglicana da Corea)

    Visitantes do Escritório da Comunhão Anglicana ACO:

    Revdo. Canon Dr. Stephen Spencer (TEAC)

    Sr. David White (Chefe Executivo)

    Equipe do Escritório da Comunhão Anglicana:

    Revdo. Canon Dr. John Gibaut (Diretor para Unidade, Fé e Constituição)

    Srta. Lucy Cowpland

    Revdo. Revd Neil Vigers

    Justificativas recebidas pela ausência:

    Revdo. Dr. William Adam (Lambeth Palace)

    Sua Reverendíssima William Mchombo (Província da África Central)

    Crédito da foto: ACO/ Neil Vigers

    IASCUFO se encontrará na próxima vez entre 5–12 dezembro 2019.

     
  • SNIEAB 11:20 on 21/12/2018 Permalink | Responder  

    Mensagem de Natal 1 – Natal é a festa do… 


    Mensagem de Natal


    1 – Natal é a festa do Amor de Deus. Na Bíblia podemos encontrar muitíssimos versículos que tratam do Amor. O Amor é a mensagem central de Sua palavra.

    No Antigo Testamento, um dos momentos emblemáticos da história do povo de Deus e sua libertação da escravidão egípcia. A libertação ocorre porque Deus se compadece de seu povo. Deus movido por seu amor, “desce para libertar seu povo pois ouviu seu clamor” (Êxodo. 3.16)

    No Novo Testamento, um dos versos mais lembrados é “Deus amou o mundo de tal maneira que enviou seu filho…” (S. João 3.16) E esse amor “revelado” no Filho, é para toda a criação. Deus “vem” ao mundo porque ama. O amor é que faz Deus se manifestar “em favor de”. Quem ama conhece a Deus. Quem ama está em Deus e Deus está nele, nos lembra a 1ª Carta de João.

    Jesus, o Salvador viveu e ensinou o amor de Deus e às pessoas que o seguiam dizia: “amem-se mutuamente como eu amei vocês, um novo mandamento dou amem-se uns aos outros como eu amei vocês”.

    Viver o Natal hoje, aqui e agora, é um convite para que experimentemos nós mesmos esse amor de Deus, e sejamos, ao mesmo tempo, instrumentos eficazes desse amor para com todas as pessoas em suas situações e condições de vida.

    2 – Natal é a Festa da Humildade – Natal é, ainda, a festa da humidade. O filho de Deus, o Salvador, o Deus Emanuel – Deus conosco -, vem ao mundo “pobre e humilde”. Nasce em meio a uma família pobre, é reconhecido pelos pobres e humildes, principalmente. E seu ministério é marcado pela humildade que se traduziu em serviço e acolhida para todas as pessoas.

    3 – Natal é a festa do compromisso – Assim como Deus agiu e age “em favor de”, por causa do seu Amor para com toda a criação, nós mesmos somos animados a assumir o compromisso de experimentar e compartilhar esse Amor. Assim como Deus olha a sua criação com misericórdia e se mobiliza, pois todas as pessoas são amadas por Ele, nós mesmos somos desafiados a agir como ele agiu, sentir como Ele sentiu. Nosso olhar deve ir em direção daqueles pelos quais Deus se compadeceu e compadece.  Nosso preocupação maior e compromisso é buscarmos ser presença desse amor junto aquelas pessoas que precisam. Nosso olhar deve voltar-se para os que perderam suas casas, seu trabalho, para os que sofrem por causa da violência da exclusão, para aquelas famílias que tem seus filhos mortos por causa da sua etnia e condição social, por causa da sua sexualidade, dos povos nativos, das mulheres, das que perderam seus direitos fundamentais, das vulneráveis…Nessa realidade devemos ser presença do Amor de Deus que é para todas as pessoas, sem exclusão ou distinção.

    Abençoada festa do Amor de Deus para todas as pessoas.


    + Naudal Alves Gomes

    Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

    Diocesano da Diocese Anglicana do Paraná

     
  • SNIEAB 11:07 on 10/12/2018 Permalink | Responder
    Tags: , ,   

    Sobre esperar e esperançar – conclusão da Campanha da IEAB dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres 

    Nestes 16 dias de Ativismo pelo fim da Violência contra as Mulheres, estivemos postando textos e relatos produzidos por  mulheres líderes de diversos lugares de nossa IEAB. Foram muito interessantes e desafiadores esses textos, escritos por elas. Chamou-nos atenção também o número de visualizações e partilhas dos textos, assim nosso objetivo foi atingido e nos comprometemos ainda mais a continuar trazendo temas tão importantes como este a reflexão em nossa Igreja.

    Hoje postamos o último texto, para esta Campanha, e foi escrito por nossa mais nova Presbítera da IEAB, a Revda Bianca Daébs, clériga da Diocese Anglicana de Recife. Uma mulher ativista na luta por direitos de todas as pessoas e especialmente pela população feminina. Nosso agradecimento a todas, que dispuseram seu tempo a escrever e nos trazer textos comprometidos pela causa, continuamos juntas e “e se ferirem nossa existência, seremos resistência!”.

    Secretaria Geral da IEAB

    Sobre esperar e esperançar

    Por; Bianca Daébs[1]

    Estamos vivendo em nossas comunidades o período do Advento, momento em que nos preparamos para celebrar o nascimento de Jesus, mas também, para refletir sobre o seu significado.

    O nascimento de uma criança dá ao mundo uma nova chance de recomeçar, por isso, a natividade de Jesus representa a novidade de vida, possibilidade de mudança e a ação que transforma a espera alegre na ação de esperançar.

    Esperançar, significa colocar em prática a esperança que o advento nos trouxe para a construção de um mundo melhor, mais justo, acolhedor e afetuoso. Desse modo, colocamos nosso amor em movimento e somos motivadas e motivados a viver em novidade de vida e não nos conformarmos com as estruturas injustas deste mundo, mas transforma-las através da coragem e do amor que nos move.

    É por causa do compromisso de vivermos o advento como uma novidade de vida que igrejas da comunhão anglicana em muitos lugares do mundo se engajaram na campanha dos “16 dias de ativismo contra a violência de gênero” que tem como objetivo combater a violência contra as mulheres e meninas.

    Nesse período em que o advento acolhe a esperança e as preces dessas mulheres e meninas de não serem mais violentadas por um sistema patriarcal injusto e também por seus companheiros que, de muitos modos, materializam essas violências em seus corpos e almas, podemos nos perguntar: como ensinar o nosso povo a esperançar diante de situações tão dolorosas como essas?

    Certamente não existe apenas uma resposta para esta pergunta pois existem pessoas no mundo inteiro se conectando para fazer o bem, todavia, faremos aqui menção a três passos que podem contribuir para ajudar nossas comunidades a esperançar!

    Nosso primeiro passo consiste no exercício de nossa espiritualidade, nossas orações e reflexões tem o objetivo de fortalecer nosso espírito, nos trazer sabedoria e discernimento, e transformar nossos medos em coragem!

    O segundo passo consiste na partilha dos nossos sonhos de construir um mundo mais justo. É o tempo de dividir com nossas comunidades o desafio do acolhimento, de torná-las locais seguros para o acolhimento de mulheres, meninas e de quem mais precisar e desejar ser amada, respeitada e tratada com dignidade. Isto exige de nós coragem, sabedoria e fé!

    Fortalecidas e alimentadas espiritualmente podemos dar o terceiro passo que consiste em nos engajarmos socialmente na construção de um mundo mais equânime. Para tanto, precisamos sair dos espaços privilegiados e seguros de nossas paróquias para ser uma voz Profética em nossa sociedade, ocupar os espaços públicos e colocar o tema da violência praticada contra mulheres e meninas nas pautas das políticas públicas de nossos municípios, estados e país.

    Desse modo, seremos agentes da graça do evangelho que cremos, vivemos e pregamos, levando a esperança do advento que nos conduz a construção de um mundo de justiça e paz!

    Que a Ruah Divina siga nos protegendo e inspirando todos os dias!



    [1] Bianca Daébs é reverenda atuando como ministra auxiliar na Paróquia Anglicana do Bom Pastor, em Salvador – Bahia.

     
  • SNIEAB 10:23 on 09/12/2018 Permalink | Responder
    Tags: ,   

    DESCONSTRUINDO O SISTEMA DO PATRIARCADO 

    Falar dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, é um momento doloroso. Por que doloroso? Porque é fazer memória de tantas violências cometidas contra nós mulheres: nossas mães, avós e muitas gerações antes de nós, que se quer poderiam falar, nem ao menos pensar ou saber, que isso era uma construção social de dominação de gênero.

    Mas não basta saber o que é violência de gênero, é necessário conhecer suas várias formas. É necessário perguntar pelas causas. Ivone Gebara faz estas perguntas “Por que nosso corpo de mulher se torna alvo dos desejos violentos, dos desejos de vinganças, de posse, de conquista e de exclusão?”

    Particularmente, me é difícil fazer memória, olhar para dentro de mim mesma e perceber que minha educação foi machista, como a de muitas de nós. Fui preparada para servir ao patriarcado. Fui criada para pensar e agir de maneira como a sociedade patriarcal pensa, age e elabora teorias. Venho de família com origem Italiana, segunda geração, essa origem agrava muito a discriminação e preconceito em relação à mulher. Dentro desta cultura preservada nos grupos desta etnia no Brasil, para o homem socialmente construído dentro do sistema patriarcal, toda liberdade de expressão, gestos, comportamentos, trabalho e poder do mando; para as mulheres, repressão, limitação em gestos, comportamento, modo de falar, em fim, obediência total.

    Escrevo isso para me expor? Não, claro que não! Escrevo para trazer à memória do quanto precisamos lutar para desconstruirmos em nós mesmas as atitudes machistas, patriarcalistas e sexistas que moram em nós. Muitas de nós ainda não percebemos, ou ainda não temos a consciência, não nos damos conta do quanto nossas ações e teorias estão carregadas de todos estes conceitos e preconceitos, que moram dentro de nosso ser, bem guardadinhos. Em nossas ações, reside ainda muito deste sistema. Precisamos desconstruir teorias milenares que foram introjetadas em nós de geração em geração. Minha mãe é culpada de ter educado suas filhas desta forma? Não, ela foi tão vítima tanto quanto nós somos. Minha mãe não teve nem a oportunidade de passar por essas reflexões de gêneros e construção de gênero! Por quebras de paradigmas de tantas irmãs nossas, à custa de muitos sofrimentos e até doando suas vidas, hoje podemos estar refletindo e desconstruindo conceitos e culturas de dominação.

    A ideia de que homens devem controlar a vida das mulheres está muito arraigada em nossa sociedade.

    A diferença biológica culturalizada gerou, de certa maneira, também uma diferença social e política, como também formas de dominação e formas de manutenção de uma hierarquia social e sexual masculina. Assim institucionalizada, a diferença obrigou as mulheres a assumir certos encargos e comportamentos, como fazendo parte do seu destino biológico. (Ivone Gebara, 2000, p.124)

    Se a normatização das diferenças biológicas foram se construindo e se tornando padrões de comportamento e hierarquia, gerando desigualdades e gerando violências, estas relações podem ser descontruídas, e é necessário que as desconstruamos. Como vamos fazer isso? Construindo novas relações, não na ingenuidade. Será necessário ainda muitas lutas e parcerias, não permitindo que este modelo construído continue. Precisamos ser firmes, primeiro em nossas desconstruções e ações entre nós mulheres, sermos sororais em nossas relações, formar grupos de desconstruções do patriarcado, machismos, sexismos. Não podemos permitir, que por conta da força física, “homens joguem mulheres pela janela em um momento de fúria”. Exemplo de não sermos sorelas, mulheres irmãs, foi esta eleição. O Presidente eleito deu provas de ser um homem machista, sexista… mas muitas mulheres votaram nele, tanto que foi eleito presidente do País. Precisamos trazer, em parceria, homens sensíveis que já fizeram este processo de desconstrução do patriarcado, ou estão em processo, abertos a aprender novas relações; ou homens que foram educados de outra maneira, por mães que já haviam feito a desconstrução do patriarcado e caminhar como pessoas, independente de gêneros, buscando novo modelo de sociedade de iguais.

    Revda. Lucia Dal Pont – Diocese Anglicana do Paraná

     
  • SNIEAB 21:18 on 08/12/2018 Permalink | Responder
    Tags: ,   

    Em busca de nossos Direitos 

    Muito se fala sobre direitos e deveres nos dias atuais. Na escola aprendemos os direitos e deveres que devemos ter para uma boa convivência com outras pessoas, mas nem sempre se consegue cumprir os mesmos e daí “não dá nada” como dizem os adolescentes.

    No próximo dia 10 de dezembro, a Declaração Universal dos Direitos Humanos completa 70 anos. Com certeza foi um grande avanço para a proteção à vida humana. No seu primeiro artigo diz o seguinte: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade”.

    Já a Constituição Federal de 1988, nos fala no seu artigo terceiro: “Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I – construir uma sociedade livre, justa e solidária; II – garantir o desenvolvimento nacional; III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação” e no artigo quinto: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.

    Por que trazer para nossa reflexão a Declaração dos Direitos Humanos e a Constituição Federal de 1988? Trazemos na intenção de enfatizar que há muito tempo temos direitos garantidos por lei que não são cumpridos. Ainda existe muita discriminação e preconceito. Ainda existe muita violação pelo direito à vida. Se observarmos os noticiários nos deparamos com muitas formas de violência contra as crianças, mulheres, LGBTIs, idosos e até mesmo homens, mas com mais frequência a violência doméstica, muitas vezes silenciada e não divulgada pela mídia.

    Estamos em constante busca pelos nossos Direitos. Como dissemos acima, muitas mulheres perdem a coragem de denunciar a violência a qual estão sofrendo por medo de maiores represálias dos agressores, que em geral são seus companheiros. Falta mais apoio da sociedade para discutir e estar junto às mulheres que sofrem com a violência.

    Logo pensamos em violência física, mas quantas mulheres sofrem diariamente violência verbal ou assédio moral e muitas se sujeitam a essa situação porque precisam do trabalho ou são dependentes de seus companheiros. A lei é clara quando diz que toda pessoa é igual e possui os mesmos direitos, mas quantas vezes vemos as mulheres sendo menos privilegiadas em relação aos homens tendo que submeter a coisas que não queriam ou deveriam se submeter?

    Devemos acreditar que o nosso país ainda pode vencer essa violação aos direitos das mulheres e que as mesmas possam ter coragem para denunciar as opressões que vivem diariamente. Para concluir, o Pastor Henrique Vieira no programa “Amor e Sexo”, da Rede Globo, que falava sobre Felicidade emocionou as pessoas com a “Oração da Felicidade”, a qual está transcrita a seguir:

    “Que todas as crenças religiosas sejam respeitadas e até mesmo a não crença religiosa

    Que possamos comungar na crença da humanidade e da diversidade, do bem comum

    Que seja declarada justa toda forma de amor

    Que nenhuma mulher seja alvo do machismo estrutural

    Que a juventude negra não seja alvo do extermínio

    Que Marias Eduardas não sejam assassinadas dentro da escola

    Que Marquinhos da Maré não sejam assassinados indo para a escola

    Que Marielles possam chegar em segurança nas suas próprias casas

    Que todo agricultor tenha uma terra para plantar

    Que todo sem teto tenha uma casa para morar

    Que os indígenas sejam respeitados nas suas crenças

    Que as fronteiras acabem e as armas caiam no chão

    Que a felicidade venha sobre nós, respeitando toda a dor e consolando toda a lágrima

    Porque felicidade de verdade só é possível sob a benção da comunhão

    Amém

    Axé

    E o que de mais universal existe

    Amor”.

    Que possamos pedir a Deus orientação para lutarmos contra todas as formas de violência, em especial nestes 16 dias de ativismo para que todas as mulheres sintam o amor de Deus e tenham coragem de procurar ajuda, mas que também possamos lembrar de todas as pessoas que sofrem com o preconceito e a discriminação para que sejam respeitadas do jeito que são.

    Texto: Carmen Andréa Blaas Rodrigues – Diocese Anglicana de Pelotas

     
c
escrever um novo post
j
próximo post/próximo comentário
k
post anterior/comentário anterior
r
responder
e
editar
o
mostrar/esconder comentários
t
topo
l
go to login
h
show/hide help
esc
cancelar