Mensagem Pastoral da Câmara Episcopal sobre processos de eleição ao episcopado na IEAB 


Festa da Anunciação de Nosso Senhor Jesus Cristo à Bem Aventurada Virgem Maria

Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor. (Efésios 4.16)

Estamos vivendo um momento muito significativo na vida de nossa Igreja quando três dioceses iniciaram processos de discernimento e eleição de novas pessoas para o exercício deste ministério especial da supervisão pastoral de dioceses e da colegialidade pastoral que será vivida em comunhão na Câmara Episcopal.

Sabemos o quanto esses processos motivam as comunidades diocesanas, seu clero e laicato na construção de procedimentos com ampla participação, que buscam contemplar a ética, a transparência e o amor ao qual Cristo nos chama a viver em nosso dia a dia.

Nos dirigimos aos irmãos e irmãs das dioceses Anglicanas de Pelotas, Paraná e São Paulo para expressar nosso carinho e nosso acompanhamento espiritual e pastoral nestes processos. Reforçamos a natureza do ministério episcopal é notadamente para toda a Igreja e de serviço à Igreja e não uma instância de poder.

Cada vez mais, na Comunhão Anglicana, e nas nossas dioceses, temos experimentado um aperfeiçoamento dos processos de discernimento em eleições episcopais, sendo estes cada vez mais transparentes e amplamente conectados com sua dimensão provincial, afirmando o sentido de que um bispo ou bispa é eleito/a como tal para a Comunhão Anglicana dentro da Igreja Católica de Cristo.

Por isso é importante que sejam processos que permitam que as dioceses conheçam de antemão as pessoas que se oferecem para este serviço tão especial. Com isso, se oferecem as condições para conhecer, dialogar e se formar uma impressão sobre as alternativas colocadas para a escolha do povo e do clero.

Embora os Cânones Gerais da IEAB, não proibam que alguma nova candidatura seja apresentada na reunião conciliar eletiva, este fato deslegitima os processos de transparência, participação e corresponsabilidade do clero e laicato em cada diocese.

Reiteramos o respeito a autonomia de cada diocese, às suas comissões canônicas (cf.Art. 110 dos Cânones Gerais), assim como ao ato de eleição, lembrando que essa autonomia deve estar conectada com a aprovação de toda a IEAB através de dois terços dos Conselhos e Bispos/as Diocesanos/as.

Convidamos ao povo e clero da IEAB para que orem pelas dioceses em processo de discernimento para escolha de seu bispo/a coadjutor/a, rogando que o Santo Espírito de Deus, nosso Pai e Mãe, inspire, de sabedoria e acompanhe a todas e todos. Certamente essa presença divina conduzirá a todas as pessoas numa atitude de diálogo, respeito ao diferente, acolhida e amor fraternal, que são dons que devem ser assumidos por nós na caminhada diária da vida e testemunho Igreja.

Com nossas orações e bênçãos,

Câmara Episcopal

Bispo Naudal Alves Gomes, Diocese Anglicana do Paraná e Primaz

Bispo Maurício Andrade, Diocese Anglicana de Brasília

Bispo Renato Raazt. Diocese Anglicana de Pelotas

Bispo Francisco de Assis da Silva , Diocese Sul- Ocidental

Bispo Humberto Maiztegui , Diocese Meridional

Bispo João Câncio Peixoto, Diocese Anglicana de Recife

Bispo Eduardo Coelho Grillo, Diocese Anglicana do Rio de Janeiro

Bispa Marinez Rosa dos Santos Bassotto, Diocese Anglicana da Amazônia

Porto Alegre, 25 de março de 2019.