NOTA DE APOIO À PASTORA LUSMARINA CAMPOS GARCIA E AO PASTOR INÁCIO LEMKE, DA IGREJA EVANGÉLICA DE CONFISSÃO LUTERANA NO BRASIL – IECLB

“Bem-aventuradas serão vocês quando por minha causa lhes insultarem, perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês. Alegrem-se e se regozijem, porque grande é a recompensa de vocês nos céus, pois da mesma forma perseguiram profetas que viveram antes de vocês”. (Mateus 5:11-12)

A Comissão de Incidência Pública, Direitos Humanos e Combate ao Racismo da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, vem, por meio desta, expressar sua solidariedade a Pastora Lusmarina Campos Garcia e Pastor Inácio Lemke, as duas pessoas da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), que, por causa de suas atitudes proféticas e generosas vem recebendo ameaças e ataques dentro da sua própria igreja, quanto de setores que promovem a intolerância, o desrespeito, a violência e o medo como meio de impor suas convicções.

Apoiamos o posicionamento da Presidência da IECLB, na pessoa do Pr. Dr. Nestor P. Friedrich, que em recente nota manifestou que “reações de agressão e de difamação à opinião divergente são inaceitáveis”, tanto “por vivermos em um país democrático” quanto por “nossa fidelidade ao Evangelho de Jesus Cristo”.

A Pra. Lusmarina, como afirma também a carta de Mulheres Ordenadas da IEAB em seu apoio, assumiu sua voz profética ao se colocar ao lado das mulheres, em especial as mulheres pobres – em sua maioria negra – que morrem por abortos realizados sem a mínima segurança, sendo ainda criminalizadas pela lei, e pelo direito de todas as mulheres a decidirem sobres seus próprios corpos.

O Pr. Inácio é um lutador social de muitas décadas que, como o fez nosso Bispo Primaz Naudal Alves Gomes, foi visitar o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva que, conforme foi manifestado em Carta da Câmara Episcopal e de Mulheres Ordenadas da IEAB, se encontra preso injustamente e de forma claramente política, com a intenção de impedir sua candidatura e possível eleição à Presidência da República. Quando do outro lado há pessoas religiosas apoiando candidatos com plataformas política que incitam a violência, a LGBTfobia, a desigualdade de gênero e o racismo, alguns dos quais nitidamente envolvidos em atos de corrupção, mas contra as quais o poder judiciário não se mobiliza.

Por um Brasil laico, democrático e respeitoso dos Direitos Humanos.

Em Cristo Libertador,

Porto Alegre, 30 de agosto de 2018.

Independência de Trinadad e Tobago, 1962.

3.500 famílias do MST ocupam a Fazenda Santa Mônica, em Corumbá/GO,

de suposta propriedade do senador Eunício de Oliveira, 2014.

Sr. Daniel Souza, Diocese Anglicana de São Paulo/SP

Bispo Humberto Maiztegui, Diocese Meridional, Porto Alegre/RS

Revda. Lilian Conceição da Silva, Diocese Anglicana do Recife/PE

Revdo. Luis Carlos Gabas, Diocese Anglicana do Paraná/PR

Sr. Pedro Montenegro, Diocese Anglicana de Brasília/DF