Mensagem de Natal do Bispo Primaz

“Ele julgará os indefesos com justiça, se pronunciará com equidade pelos pobres da terra” Is 11:4a

Irmãos e Irmãs,

Graça e Paz!

Este tempo de Advento está nos preparando cuidadosamente para celebrarmos o Natal com renovada esperança, apesar de todas as evidências em contrário.

O contexto mundial de radicalização ideológica, dominado por lideranças narcisistas e o abandono do diálogo tem gerado incertezas um tanto quanto difusas do que vai acontecer nos próximos anos. No Brasil, temos vivido praticamente um pesadelo com o crescimento da pobreza, a violência da supressão de direitos dos trabalhadores e o espetáculo deprimente da corrupção gerando mais riqueza para poucos e mais exclusão para a maioria.

O nível de confiança da sociedade nas instituições tem caído vertiginosamente porque o império da lei e da ética está soçobrando aos ventos do fascismo, da propaganda mentirosa e do cinismo de nossas elites.

Num quadro com esse contorno o que nos poderá salvar? ou o que nos será dado como esperança para continuar crendo que nosso Deus é um Deus de Libertação. Alguns ingredientes devem ser lembrados neste tempo de Natal do Deus Menino.

Lembremos da humilde obediência de Maria. Ela creu e aceitou a tarefa de gerar o Salvador. Lembremos da perseverança dos magos do oriente em sua incansável jornada até o lugar onde encontraram o menino. A prontidão dos pastores em fazer coro com os seres angelicais, proclamando sua alegria para todo o universo.

Os tempos de hoje não são, em termos de estrutura, mais difíceis do que aqueles tempos na Palestina. Pobreza, opressão, exploração, exclusão faziam parte do cotidiano das pessoas envolvendo-as em densas trevas e sem perspectivas. A religião havia perdido seu caráter profético e agora era apenas um sistema que tratava de sobreviver em um colaboracionismo com o Império. Herodes, sedento de poder, queria saber do menino (conhecimento que mata) e não adorá-lo. Hoje me preocupo muito com as pessoas que querem “saber” de Jesus, mas não tem coragem de segui-lo! Me preocupo também com as pessoas da religião que só se preocupam com poder ou com o séquito de seguidores sedentos das palavras fáceis e sedutoras..

É tempo de abrir o coração para a ternura de Deus. É tempo de descobrir os sinais que o universo nos manda dizer, pedindo socorro pela forma como tem sido usado para a satisfação de tão poucas pessoas. É hora de olharmos não o palácio mas a caverna. Ali, longe dos confortos do mundo, encontramos a verdadeira alegria de uma criança que veio destruir por definitivo as trevas e nos conduzir por caminhos de paz, justiça e luz.

Que o Natal do Senhor deixe de ser apenas uma grande festa do Mercado. Que ele se torne um sinal de renovação da nossa plena humanidade que nasce da plena humildade de uma criança que nos dirige seu sorriso cheio de luz.

Do vosso Primaz e servo no Senhor,

++ Francisco

Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil