Diálogos de reparações: construção coletiva 

“Nossas vidas começam a morrer no dia em que calamos coisas que são verdadeiramente importantes.”

Martin Luther King Jr.

A Comissão de Justiça e Paz, organização colombiana que atua desde 1990 na formação em direitos humanos de lideranças comunitárias de territórios urbanos e rurais, em parceria com a Christian Aid, Mundubat e a Cooperação Basca, desenvolve o curso de formação “Sujeitos Territoriais de Paz com Justiça Socio-ambiental”. O projeto será realizado em três etapas, entre os anos de 2015 e 2016. A primeira fase está em curso na cidade de Bogotá (4 a 10 de outubro), e reúne 80 estudantes indígenas, afrodescendentes e populações oriundas de áreas de vulnerabilidade urbanas e rurais. As demais etapas serão desenvolvidas no período indicado anteriormente.

A Christian Aid possibilita o diálogo com seus parceiros da América e Latina e Caribe numa perspectiva de gênero e identidades. Com este intuito, a IEAB foi convidada através do seu Serviço Anglicano de Diaconia e Desenvolvimento (SADD), juntamente com a organização MISSEH do Haiti a participar do curso promovido pela Comissão de Justiça e Paz da Colômbia. Duas representantes brasileiras foram convidadas, a saber: a psicóloga Prof. Ilcelia Soares (Membro da Comissão Nacional de Diaconia/CND) e a Reverenda Elineide Ferreira (Coordenadora da Casa Noeli dos Santos/Ariquimes/RO). O propósito deste diálogo é promover ações afirmativas por uma cultura de paz baseada na formação em direitos humanos.

Nos dias 4 e 5 foram realizadas atividades de acolhida e formação política e teórica no campo de território e ambiente. A aula inaugural contou com a presença de acadêmicos da área, embaixadas, e sociedade civil organizada. Os palestrantes – Yohana López, Oscar Guardiola e Steeven Haymes – abordaram a construção de paz e mediação de conflitos a partir de três perspectivas sócio-teóricas complementares: comunidades solidárias, justiça transicional de reparação, e educação como ferramenta de direitos, justiça e paz.

No terceiro dia, a temática principal do curso foi gênero e identidades. Pela manhã, Maria Tila Uribe, senhora de 85 anos, demostrou em sua fala o papel de luta social e resistência das mulheres na construção sócio-política colombiana. Ela enfatiza que em vários momentos históricos a presença das mulheres foi omitida, como por exemplo nos movimentos operários   em que as trabalhadoras e ativistas foram tratadas como invisíveis, negando sua participação nestes processos.

A participação do SADD se deu na parte da tarde, quando suas representantes apresentaram os trabalhos sobre gênero, violências e identidades, desenvolvidos em parceria com a Christian Aid. Inicialmente, foi apresentado a estrutura operacional e objetivos do SADD em seu diálogo com as comunidades de fé e sociedade civil, a serviço da diaconia social da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil. A Cartilha de Prevenção e Enfrentamento à Violência de Gênero foi socializada com os participantes do curso de formação, como referência metodológica e um instrumento de trabalho na prevenção e enfrentamento à violência contra as mulheres.

Em seguida, a palestra da Professora Ilcelia Soares abordou o tema “Gênero e Violências: diálogos por Direitos e Justiça”, como uma reflexão sobre a diversidade que compreende a discussão de gênero, a partir da desconstrução de papéis sociais de homens e mulheres, repensando também a masculinidade. Nesse sentido, foram apresentados dados estatísticos que ainda apontam homens como autores de violência, em uma relação de abuso de poder frente às mulheres. Enfatizando que as diferentes modalidades de violência que as mulheres vivenciam são problemas de saúde, políticas públicas e violação de direitos humanos.

Em um outro momento, Reverenda Elineide Oliveira apresentou o trabalho realizado pela Casa Noeli do Santos. Além da estrutura de acolhimento às mulheres, destacou-se o impacto social que a casa imprime na vida das mulheres e dos seus filhos e filhas, por sua atuação na prevenção, enfrentamento e atendimento daquelas que vivem em situação de violência doméstica e de gênero na cidade de Ariquemes. A única Casa de acolhimento a compor a rede de enfrentamento a violências é vinculada a Igreja, e é apoiada pelo SADD em parceria com a Christian Aid. Por seu protagonismo na articulação desta Rede, ela assegura a aplicação das políticas públicas de proteção, como cumprimento das determinações trazidas pela Lei Maria da Penha.

Os representantes Christian Aid Haiti e seu parceiro MISSEH enriqueceram o evento apresentando o trabalho que vêm desenvolvendo no país em defesa aos direitos humanos e no enfrentamento a violência contra as mulheres. Ambos fazem um trabalho amplo que visa superar os problemas sociais, agravados pela crise humanitária causada pela instabilidade política e dos desastres naturais que atingiram o país na última década. Além dos trabalhos de sensibilização sobre questões de gênero desenvolvidos junto às matrizes religiosas, a MISSEH desenvolve ações de geração de renda para promover a autonomia das mulheres como mecanismo de enfrentamento a violência de gênero.

Este curso tem sido uma grande experiência tanto pelo intercâmbio com todos os parceiros que viabilizaram essa cátedra, quanto por dialogarmos com jovens ( meninos e meninas) , mulheres e homens  vindos de diferentes áreas de Colômbia afetadas por diversas formas de  violências.  A presença de organismos religiosos, é também a constatação de que é possível estabelecer relações dialógicas.


Matéria Enviada:  Ilcélia Soares, Bárbara Virgenes, Elineide Oliveira