CAMINHADA DA DIACONIA NA IEAB 

Comissão Nacional de Diaconia (CND): Reverendo Arthur Cavalcante (Secretário Geral da IEAB), Sra.Mara Luz, Deã Marinez Bassotto, Profa. Ilcélia Soares e Sra. Sandra Andrade (SADD)

A IEAB tem, na diaconia, uma das suas maiores forças. Ela é pensada e posta em prática de norte a sul do Brasil, tem acompanhado as mudanças de conjuntura do nosso país e tem como alimento as Marcas da Missão. Alguns marcos importantes da nossa trajetória foram:

  • 1988: Primeira Comissão Nacional de Apoio às Instituições, no momento importante da Década da Evangelização, da Confelíder e de discussões sobre encontro das instituições educacionais. Primera vez que há referência à criação de um departamento de diaconia.
  • 1990: Encontro nacional recomenda a dinamização da presença efetiva dentro das instituições e o trabalho conjunto com outras igrejas e organismos ecumênicos sobre o Estatuto da Criança e o Adolescente.
  • 1995: Encontro das Instituições Sociais que é separado das Instituições Educacionais recomenda rever e fortalecer a ação social.
  • 1998: Encontro Provincial propõe encontros diocesanos para: buscar pastorais alternativas, maior participação das lideranças leigas, consciência pedagógica e maior rigor na elaboração dos projetos sociais, romper dependência e paternalismo com recursos do exterior, criação de secretarias diocesanas de ação social.
  • 2002: Confelíder Missão e Espiritualidade aprofundou a partilha das experiências diaconais entre a IEAB e com os convidados ecumênicos e subsidiou o Sínodo de 2003.
  • 2003: Encontro de Pastorais Sociais em Capão do Leão/DAP: intercâmbio dos processos em curso e capacitação com a Diocese Anglicana do Uruguai, compromisso de partilhar os resultados com as dioceses, aprofundar subsídios teológicos, metodológicos e filosóficos para aprimoramento da diaconia, dar continuidade ao processo de rede. RECOMENDAÇÃO: Que a Secretaria Geral agilize o cumprimento da decisão da última Confelíder de criar um Departamento de Diaconia Social.
  • 2006: Mudança do Serviço Nacional de Apoio às Instituições Educacionais e Sociais para Comissão Nacional de Diaconia.
  • 2007: Consulta Nacional de Diaconia Social IEAB/ERD em Brasília: sistematização das experiências de cada diocese e então distritos e discussão preliminar sobre a criação de um Serviço de Diaconialigado à Secretaria Geral e com uma proposta de plano de trabalho nas áreas de capacitação, monitoramento, publicações e assessorias.
  • 2008: Criado o SADD, subordinado à Secretaria Geral e formado pelos Contatos Diocesanos indicados pelos Bispos, uma coordenadora e acompanhado pela Comissão Nacional de Diaconia.

Neste processo, a criação da Comissão Nacional de Diaconia (CND), como uma comissão sinodal formada por clérigas e leigas de distintas dioceses, tem a missão de refletir, produzir e estabelecer as linhas de ação em relação à diaconia da IEAB, em conjunto com os seus órgãos de decisão e demais comissões nacionais. A CND acompanha e contribui na articulação do trabalho do SADD que é quem operacionaliza a diaconia. Ajuda no seu diálogo com os parceiros internacionais em momentos importantes. Tem proposto temas (metas do milênio, políticas públicas, cartilha sobre violência de gênero) e assessorado metodologicamente eventos, a pedido da direção da IEAB, como foi a Confelider 2010. Participa em atividades dos parceiros para compartilhar experiência da CND, por exemplo o Webinar da Aliança Anglicana e o Encontro dos Lusófonos, ambos em 2015.

Neste momento, a CND tem priorizado o apoio ao processo de pensar o futuro do SADD, via contatos com a assessora específica, o desenho de um processo amplo de consultas com várias atividades com diferentes instâncias da IEAB.

Em abril de 2015, na reunião da Câmara dos Bispos em Sâo Paulo, vimos que os principais desafios para o aprofundamento da nossa diaconia como anglicanos e anglicanas no Brasil são:

  • Conjuntura brasileira (social, política, economica, ecumênica) e seus impactos para uma diaconia plena. Denúncias de corrupção e criminaçização das organizações não governamentais dificultam acessos à fundos públicos para projetos sociais.
  • Crescente exigências de resultados, impactos, evidências e relação dos projetos, de acordo com as diferentes prioridades dos parceiros internacionais.
  • Reflexão Bíblico-Teológica atualizada sobre Diaconia/Marcas da Missão.
  • Um maior compromisso coletivo das várias instâncias sobre a decisão do último Sínodo para os trabalhos com a Juventude e a diversidade sexual.

Nesse sentido juntamos forças com a IEAB na construção de um projeto de Diaconia a serviço de todas as pessoas!

Mara Manzoni Luz,

DASP, Coordenadora da CND, Julho 2015