MENSAGEM DE PÁSCOA DA IEAB

Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia. Mateus 28:6

A Igreja cristã está mais uma vez desafiada a viver nesta Semana Santa a passagem da angústia para a alegria, da morte para a vida, da derrota para a vitória! Este é o tempo que vivemos e nos identificamos com o caminho de Jesus, em seu embate contra um sistema opressor política e religiosamente, gerador de imensuráveis dores e divisões.

Dois mil anos depois, mudaram os personagens da história, mudou a tecnologia, o conhecimento científico, a cultura, mas a lógica continua a mesma. Uma lógica de morte. As cenas que vivi recentemente em minha viagem a Rondônia ainda estão vivas na minha memória. Eu vi seres humanos abandonados à própria sorte, lutando em condições desiguais para sobreviver e afirmar sua dignidade. Eu vi vítimas de violência de gênero (na visita à Casa Noeli Santos) que parecem implorar a cada minuto por sua dignidade e seu direitos no meio de uma sociedade indiferente ao seus mais legítimos desejos.Em cada olhar e cada gesto daqueles irmãos e irmãs pessoas eu pude imaginar o quanto Jesus sofreu as nossas dores. Não falo somente as físicas, mas igualmente as emocionais e espirituais. E reforcei ainda mais a minha convicção de que só podemos continuar a nossa caminhada por fé e confiança na providencia divina.

Nossa sociedade está profundamente doente e segue insensível às barbáries que acontecem no nosso cotidiano Somente a fé nos sustenta através da experiência da Ressurreição. Através da Ressurreição de Cristo temos certeza de que a lógica da morte e do “presente século” está vencida definitivamente. O túmulo está vazio e a morte envergonhada. É essa fé que nos move na direção do outro(a) e do mundo. É essa fé que nos move a enfrentar pela palavra e pela ação as potestades deste século. Poderes sentados em seus confortos de uma engrenagem que só lhes beneficiam, mas que envergonham os céus. Mas estes poderes nada podem contra Aquele que ressurgiu dos mortos e “não está mais aqui”!

Que nossa IEAB experimente profundamente a força do evento pascal. Para além da forma e beleza litúrgicas devemos viver a Páscoa em nossos corações, capacitando-nos sempre a teimar, a anunciar e a transformar nossa sociedade. A dor, o sofrimento e o choro dos excluídos, fracos e pobres serão convertidos em alegria eterna e nós, como seguidores de Cristo, somos chamados a manter a fé e a esperança em solidariedade com nossos irmãos e irmãs mais fracos. Que a força do Cristo Ressurreto seja a razão do nosso ministério e que não nos acomodemos, mas tenhamos coragem de anunciar que a injustiça não prevalecerá!
Uma abençoada Páscoa do Senhor!

++ FRANCISCO

Bispo Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil