Visita Pastoral do Primaz a Rondônia

Santa Maria, 14 de abril de 2014

Palavra do Primaz sobre a visita a Porto Velho e Ariquemes

Bem aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia (Mt 5,7)

Irmãos e Irmãs

Entre os dias 07 e 11 deste mês estive visitando o Distrito Missionário Anglicano para levar ajuda humanitária às vítimas das enchentes do Rio Madeira que afetaram Porto Velho. O quadro que encontrei naquela cidade é desolador. São cerca de 20 mil desabrigados. Bairros alagados, casas debaixo da água, perdas materiais incalculáveis e um sentimento de impotência por parte das autoridades.

As regiões ribeirinhas foram as mais atingidas, onde o povo perdeu tudo que tinha, sem tempo de resgatar seus bens pela velocidade com que a água subiu. Encontrei famílias acampadas no meio da mata, vivendo em condições deploráveis, obrigadas a viver em barracas improvisadas de lonas e sem condições sanitárias dignas, muitas delas só com a roupa do corpo.

O atendimento da Defesa Civil não atende as condições mínimas a ponto de receber a cada 15 dias água potável que só dá para duas pessoas em um dia.

Parte dos desabrigados está espalhadas em 37 escolas públicas, sem perspectivas de retorno ainda por muitos dias. Estes desabrigados que estão nas escolas e em um acampamento fornecido pela Defesa Civil são, na maioria, moradores dos bairros da capital de Rondônia. Os ribeirinhos em sua maioria estão em picadas abertas na mata por eles mesmos e nas péssimas condições mencionadas acima.

A situação agora se apresenta com a expectativa do recuo das águas. E isto é preocupante também porque as águas estão contaminadas e o risco de epidemia de leptospirose e outras doenças aumenta. Pude sentir um mal cheiro intenso nas áreas onde as águas estão represadas, pois o refluxo não consegue ser total.

Em minha visita fui acompanhado pelos irmãos e irmãs da Paróquia Phileon e tivemos o apoio dos irmãos e irmãs da Missão Moriá. Entregamos cestas básicas a cerca de 30 famílias e outras foram entregues nos acampamentos neste sábado pelos irmãos das comunidades nossas. Não pude visitar todas as comunidades porque tivemos fortes chuvas na quarta-feira e o acesso ficou impossível.

Reunimo-nos com o prefeito da cidade de Porto Velho e procuramos saber das medidas de emergência adotadas em conjunto com a Defesa Civil e com o apoio das autoridades do Estado e do Governo Federal. Percebi que o processo de enfrentamento da calamidade caminha com muitas deficiências e lentidão.

Aproveitando a viagem, estendi minha visita à Ariquemes onde visitamos a Casa Noeli Santos e a Paróquia da SS Trindade. Foram oportunidades de contato com as reverendas Elineide e Maytee, bem como com as lideranças da comunidade. Na visita à Casa Noeli Santos pude ver o esforço da Reverenda Elineide e da Psicóloga Lucimere em organizar a casa e as limitações materiais da casa. Sinais positivos se abrem agora com a assinatura de convênio com a Prefeitura, assinado na quarta-feira passada.

Diante do quadro que encontrei, das enormes necessidades dos desabrigados, reafirmo meu apelo à IEAB que continuem em oração pelo povo de Rondônia e conclamo nossos parceiros internacionais a atender nosso apelo por apoio concreto no enfrentamento dessa situação. Apelo a todas as comunidades da Igreja que queiram ajudar a enviarem suas contribuições para atender as necessidades mais básicas de tantas famílias  que perderam tudo e estão sobrevivendo unicamente através da solidariedade das pessoas.

Em meio a tudo isso, o meu coração está apertado e nossa Igreja é desafiada a assumir, nesta semana santa as dores de nossos irmão e irmãs, que a exemplo de Jesus, sofrem as conseqüências de um sistema injusto, insensível e excludente.

Meus sinceros agradecimentos ao povo de Porto Velho, ao Reverendo Robert, aos ministros leigos e ao povo das comunidades Phileon e Moriá pela coragem de enfrentar o desafio de levar carinho, solidariedade e apoio concreto aos desabrigados.

Solicito aos bispos, clero e povo da IEAB que se mobilizem para atender esta emergência. Qualquer ajuda é bem vinda. Se qualquer irmão ou irmã quer ajudar concretamente, peço a gentileza de contactar a Secretaria Geral da IEAB ou o Primaz, para que encaminhemos as orientações para o envio da ajuda.

Que o amor de Deus nos motive a demonstrar nossa solidariedade com os que sofrem!

Que o amor de Deus seja derramado em nossos corações para servimos a Ele na vida dos necessitados!

Vosso irmão e Primaz,

++Francisco