Diocese Anglicana de Curitiba Comemora os 50 Anos da Paróquia da Ascensão 

A Paróquia da Ascensão iniciou a semana comemorativa dos cinquenta anos de presença da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil na cidade de Cascavel com uma celebração litúrgica no dia 23 de novembro pp.. Focada na importância da comunidade cristã como espaço onde as pessoas se nutrem da Palavra e da Eucaristia, convivem entre si e são enviadas em missão, a celebração teve por objetivo comprometer ainda mais os(as) episcopais anglicanos(as) da Paróquia da Ascensão com a construção do Reino de Deus.

Nos dias 25 e 28 pp., em conjunto com outras organizações e movimentos sociais, a Paróquia da Ascensão abriu suas portas para dois eventos significativos: “Diálogo inter-religioso, ecumenismo, espiritualidade e justiça social” e “Políticas afirmativas em defesa da mulher”. Ambos os eventos estavam inseridos dentro da programação dos ‘16 Dias de Ativismo de Gênero’ que pela primeira vez acontece em Cascavel.

Representantes de religiões de matrizes Afro (Cadomblé, Umbanda e Ifá), espíritas (Kardecistas), católicos romanos (Pastoral do Menor) e anglicanos, estabeleceram uma roda de conversa em busca de proximidade, conhecimento mútuo, respeito às diferenças e acolhida fraternal. Terminamos o encontro com um caloroso e significativo abraço, porém, motivados para um segundo encontro que aconteceu no dia 04 de dezembro pp. no terreiro de Umbanda da Mãe Elaine. Concretamente ficaram definidas algumas ações que darão visibilidade a essa proximidade inter-religiosa: No dia 21 de dezembro pv. uma caminhada noturna pelo calçadão da cidade, com ênfase na religiosidade Afro (instrumentos, músicas, vestes, etc.); integração dos terreiros ao trabalho de enfrentamento à violência juvenil e um grande seminário sobre cultura, religiosidade, gênero, etc. que deve acontecer em 2014 numa parceria com a Unioeste e diferentes organizações.

Mulheres da APP Sindicato e da Marcha Mundial fizeram uma exposição de como as mulheres estão se organizando a nível mundial, no Brasil e aqui em Cascavel para a garantia de seus direitos e o enfrentamento da violência. Nos dias 07-08 de março pp., mulheres anglicanas (Paróquia da Ascensão e da Capela Jesus Cristo Libertador do MLST), já haviam participado do encontro de formação acontecido na APP Cascavel, e, agora, devem fazer parte de forma mais consistente da Marcha Mundial.

Embora não fizesse parte da programação comemorativa dos cinquenta anos, aconteceu na Câmara Municipal de Cascavel, na noite do dia 26 de novembro pp., o Ato em memória de Marçal Tupã Y, liderança Guarani do Mato Grosso do Sul, morto ha trinta anos atrás. Sua voz profética em defesa da cultura, da religiosidade e dos territórios indígenas foi calada tempos depois de ter pedido ao Papa João Paulo II que a Igreja se colocasse ao lado dos pobres e indefesos. O Ato foi chamado pelo Vereador do PCdoB Paulo Porto, professor da Unioeste e indigenista e contou com a presença de dezesseis organizações e movimentos, entre elas a Pastoral Anglicana da Terra. No final, todas as organizações e movimentos assinaram um documento denunciando a situação de violência a que estão submetidos os indígenas Guarani do Oeste do Paraná e do estado do Mato Grosso do Sul, e exigindo a imediata demarcação de seus tradicionais territórios. O documento foi entregue em mãos à Ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann que esteve recentemente em visita à cidade de Marechal Cândido Rondon, e também encaminhado à Funai.

No sábado, dia trinta de novembro, tivemos a grande celebração dos cinquenta anos com a presença de D. Naudal Alves Gomes, da Rveda. Lúcia Sirtoli de Londrina, do Pe. Martinho, jesuíta da Paróquia Sto. Inácio e do Pr. Rui que é Luterano. Paroquianos, anglicanos(as) de outras comunidades, amigos e amigas ocuparam todos os espaços do templo. Muitas pessoas tiveram que permanecer do lado de fora.

Tendo a primeira vela da Coroa do Advento à frente e o tradicional hino do Advento “O esperado” sendo cantado, entraram os celebrantes e foi então iniciada a grande celebração. Em seguida, um breve relato sobre a história da Igreja Anglicana no mundo, no Brasil e no Paraná. Destaque foi dado à presença Episcopal Anglicana no Oeste do Paraná, e em especial na cidade de Cascavel.

A Bíblia foi então entronizada com uma música do compositor Zé Vicente interpretada por uma jovem da Pastoral da Juventude da Igreja Católica Romana. Na sequência uma série de pequenas leituras que proclamavam a verdadeira religiosidade e o papel da comunidade na construção de um mundo melhor (Mq. 6,6-8; At. 2,42-45; Rm. 12,5-8; Lc. 8,16-18). Foram ainda lembradas as “Cinco Marcas da Missão da Comunhão Anglicana”, e consequentemente foram feitos os pedidos de perdão em vista das limitações e fraquezas da comunidade quanto à Evangelização, Proclamação e Testemunho.

D. Naudal em sua homilia falou do jeito de ser da Igreja e sua missão, e particularmente sobre a presença Episcopal Anglicana no Paraná, no Oeste e em Cascavel.

Duas crianças receberam o Batismo (Kauê e Diego) e dois adolescentes (Gabriel e Gabriela) foram Confirmados. A água do Batismo foi levada ao altar por crianças da comunidade ao som de uma música que dizia da importância da água e o cuidado que devemos ter para com esse dom de Deus, tendo em vista da preservação da vida e do planeta.

Durante o ofertório, jovens e adultos da Capela Jesus Cristo Libertador, do Pto. Missionário do Jardim Colméia, do Pto. Missionário do Assentamento Olga Benário de Sta. Teresa do Oeste e da comunidade de Foz do Iguaçu apresentaram uma mística que expressava o comprometimento da Igreja com a construção de um mundo mais justo e fraterno.

Após a Comunhão foram lembradas e homenageadas pessoas que contribuíram para que a Igreja Episcopal Anglicana se estabelecesse na cidade de Cascavel, também outras pessoas e organizações que hoje dela fazem parte ou com ela congregam em ações transformadoras. O Rev. Phillip Getchell, missionário americano que veio morar em Toledo no ano de 1961, que atualmente reside na Califórnia; o leigo Daniel Bernardes da Silva, já falecido; a família Blanck, em cuja casa foi celebrado o primeiro culto em 27 de dezembro de 1963; o Rev. Fritz Schornack, também já falecido; Dna. Selma Bernardes da Silva, paroquiana mais antiga; o casal Gilmar e Olívia do Pto. Missionário Sta. Maria Madalena do Jardim Colméia; a Capela Jesus Cristo Libertador do MLST; o Pto. Missionário do Assentamento Olga Benário de Sta. Teresa do Oeste; o Movimento “Caminhada pela Vida” de enfrentamento à Violência contra os jovens da região norte de Cascavel e o Bispo diocesano, D. Naudal Alves Gomes.

Descerraram a placa comemorativa representando diferentes momentos da vida da comunidade a senhora Selma (mais antiga), o senhor Lauro (que veio para a Igreja em 1998) e a Sirlei (recebida em 2013).

Dada à benção, e cantando “Vai ser tão bonita”, de Zé Vicente, continuamos nossa celebração no salão paroquial com um coquetel de salgados, refrigerante e bolo.

Completando os dias de comemoração, no dia 02 de dezembro p.p., a Igreja e a Paróquia foram homenageadas na Câmara Municipal de Cascavel pelos vereadores presentes à sessão. O ver. Paulo Porto enalteceu a presença e a ação da Igreja na região, e em especial na cidade de Cascavel. D. Naudal, rebeu em nome da Igreja um certificado e pode falar aos presentes sobre o jeito de ser da Igreja e sua missão nos dias de hoje.