Vaticano publica provisão especial para acolher anglicanos descontentes 

Em uma inesperada decisão, a Igreja Católica Romana tornou público hoje uma provisão especial do Papa para acolher anglicanos em dissenso com sua Igreja por razões de ordenação de mulheres e de pessoas homoafetivas.
A provisão especial permitirá que anglicanos entrem em plena comunhão com Roma mantidas particularidades da tradição e teologia anglicanas, incluído o estado matrimonial dos clérigos – exceto os bispos.
Em entrevista coletiva, o Arcebispo de Cantuária declarou não entender esse provisão de Roma como uma ingerência nos assuntos internos da Comunhão Anglicana.
Em uma declaração conjunta com o Arcebispo católico Romano de Westminster, Rowan Williams enfatizou que essa medida representou a superação de muitas incertezas para anglicanos e católicos romanos, tornando-se uma solução para um anseio de grupos anglicanos que vinham solicitando a Roma a aceitação como membros em plena comunhão.
A grande interrogação em torno da medida é se essa provisão se destina aos anglicanos que abandonaram a comunhão da Igreja por razões de dissenso ou se vale também para os anglicanos que, embora ainda dentro da Igreja, desejarem aderir a Roma sob essa provisão.
De qualquer modo, essa inesperada ação da Sé de Roma representará um questionamento a respeito da longa caminhada de diálogo ecumênico entre anglicanos e católicos romanos que existe há mais de 40 anos.
Já começam a se construir muitas teses de apoio e de questionamento a partir de teólogos dos dois lados. Certamente essa é uma medida que terá seus impactos no futuro das relações entre as duas Igrejas.
-
Rev. Cônego Francisco de Assis da Silva
Secretário-Geral da IEAB

Em uma inesperada decisão, a Igreja Católica Romana tornou público hoje uma provisão especial do Papa para acolher anglicanos em dissenso com sua Igreja por razões de ordenação de mulheres e de pessoas homoafetivas.

A provisão especial permitirá que anglicanos entrem em plena comunhão com Roma mantidas particularidades da tradição e teologia anglicanas, incluído o estado matrimonial dos clérigos – exceto os bispos.

Em entrevista coletiva, o Arcebispo de Cantuária declarou não entender esse provisão de Roma como uma ingerência nos assuntos internos da Comunhão Anglicana.

Em uma declaração conjunta com o Arcebispo católico Romano de Westminster, Rowan Williams enfatizou que essa medida representou a superação de muitas incertezas para anglicanos e católicos romanos, tornando-se uma solução para um anseio de grupos anglicanos que vinham solicitando a Roma a aceitação como membros em plena comunhão.

A grande interrogação em torno da medida é se essa provisão se destina aos anglicanos que abandonaram a comunhão da Igreja por razões de dissenso ou se vale também para os anglicanos que, embora ainda dentro da Igreja, desejarem aderir a Roma sob essa provisão.

De qualquer modo, essa inesperada ação da Sé de Roma representará um questionamento a respeito da longa caminhada de diálogo ecumênico entre anglicanos e católicos romanos que existe há mais de 40 anos.

Já começam a se construir muitas teses de apoio e de questionamento a partir de teólogos dos dois lados. Certamente essa é uma medida que terá seus impactos no futuro das relações entre as duas Igrejas.

-

Rev. Cônego Francisco de Assis da Silva

Secretário-Geral da IEAB