Mensagem de Natal do Primaz 

“..um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz..” – Isaías 9:6.

Quem espera notícias, tem o coração ansioso.

Pensemos nas grandes notícias mundiais: fim ou começo de guerras; tratados de paz; grandes descobertas. Podemos também pensar em importantes notícias de valor pessoal: a cura ou a perda de um amigo; a volta de um filho; uma separação ou uma reconciliação; uma perda ou um ganho em qualquer terreno. Olhamos o mensageiro dessas notícias, querendo adivinhar, pela postura, pelo tom de voz, que tipo de recado ele vem trazendo. Muitas vezes, somos nós os mensageiros – e sabemos muito bem – que, às vezes, corremos para dar notícias; outras vezes, nossos passos se tornam pesados e nem sabemos o que dizer.
É comum, em tempo de Natal, se perguntar que notícia seria um bom presente para a humanidade? O grande presente de Deus já veio. Agora, nós mesmos temos de fazer valer a paz que Deus nos ofereceu no menino de Belém.

“Como são belos os pés dos mensageiros que anunciam a Paz !”. Quando temos notícias de paz e alegria, gostaríamos de ter asas em nossos pés. A Palavra de Deus encarnada não veio nos assombrar com seu poder; veio para ser solidária com as nossas carências e aflições. Tudo vem dela, sua luz é para todos nós. A encarnação do Verbo é necessariamente limitada no tempo e na história. Para ser gente de verdade, sem restrições, foram necessários um lugar e data concreta para esse nascimento. Mas a aliança que Deus fez através de sua encarnação é para a humanidade inteira. Sendo carne, Jesus participou das alegrias e sofrimentos que conhecemos, experimentou as necessidades humanas, tornou-se irmão de todos, sem exclusões.

O Filho revela Deus, um Deus que não é prepotente, distante ou assustador, e isso é uma boa notícia. Revela um Deus que nos visita com simplicidade, que quer ser lembrado nas crianças, nos pequenos, nos humildes. Se Deus é assim, para tudo há esperança. Não há desamparo que não possa ter remédio.

A grande notícia do presépio, a que enche de ternura o coração de tanta gente no Natal, é o despojamento de Deus, tornando-se acessível, próximo e até vulnerável. Deus conosco, Emanuel!

O que nos cabe é fazer do mundo um espaço no qual o amor, a justiça, a ternura possam crescer. A criança na manjedoura de Belém nos convida a um processo de encarnação nas realidades da vida da Igreja e da nossa sociedade – exatamente onde tantos irmãos e irmãs precisam da animação, da esperança e da alegria da boa noticia da qual nós somos mensageiros: “… um menino nos nasceu, um filho se nos deu…seu nome será Príncipe da Paz”.

Com nossa bênção, desejamos um feliz e abençoado Santo Natal.

-

Revmo. Orlando Santos de Oliveira

Primaz da IEAB