Posts Mentioning RSS Toggle Comment Threads | Atalhos de teclado

  • SNIEAB 1:49 on 23/12/2003 Permalink | Responder
    Tags: ,   

    A Comissão do Arcebispo de Cantuária 

    A Comissão nomeada pelo Arcebispo de Cantuária em outubro de 2003, realizará três encontros: em fevereiro, junho e setembro de 2004. Ela pretende completar o relatório inicial sobre a natureza, extensão e conseqüências do impacto na unidade da Comunhão Anglicana, como resultado dos recentes acontecimentos, até o fim de setembro de 2004, para a apreciação do Arcebispo de Cantuária, em outubro. Trabalho intenso também será delegado individualmente aos membros da Comissão e a outras pessoas, que irá além das sessões principais dos encontros citados anteriormente.

    Como exigência desse mandato, a Comissão irá começar o trabalho levando em conta os trabalhos recentes existentes sobre a questão da Comunhão. Primeiramente considerará as resoluções das Conferências de Lambeth de 1988 e 1998 sobre essa questão, bem como as conclusões dos Relatórios de Grindrod, Eames e Virginia, que tratam de questões sobre a Comunhão, particularmente com relação ao tema da ordenação feminina para o episcopado. Ela também dará uma atenção especial para o recente trabalho da Comissão Internacional Anglicana de Teologia e Doutrina, sobre a natureza teológica da Comunhão, e as diversas declarações e cartas pastorais feitas pelos primazes em seus últimos encontros.

    Não existem planos, até o momento, de realizar sessões públicas da Comissão, mas sente-se que é necessário que o trabalho da Comissão seja o mais aberto possível. Por essa razão, evidências consideradas pela Comissão, serão divulgadas no website da mesma, e pretende-se publicar relatórios periódicos sobre o seu trabalho, após cada sessão plenária.

    Contribuições específicas à Comissão serão esperadas de pessoas ou grupos, na forma escrita e em entrevistas, tanto nas sessões plenárias como nos encontros subsidiários ou em sub-comitês. O relatório inicial, em sua forma definitiva, não será publicado até que seja recebido formalmente pelo Arcebispo de Cantuária.

    Contribuições de evidências podem ser encaminhadas para consideração da Comissão, desde que sigam os seguintes critérios:

    1. As contribuições devem ser concernentes estritamente aos termos de referência da Comissão (questões-chave que aparecem a seguir), e enviadas no formato eletrônico para o endereço de e-mail do Secretário da Comissão.

    2. As contribuições devem estar no formato Word, e não ultrapassar um lado de uma folha A4, ou equivalente.
    A Comissão poderá solicitar a quem de direito uma explicação ou complementação, se sentir necessidade. Todas as contribuições podem ser publicadas no website da Comissão, sob a responsabilidade do seu presidente, Arcebispo Robin Eames.
    A Comissão ficaria grata se membros da Comunhão Anglicana, e seus parceiros ecumênicos, orassem para o bom andamento do seu trabalho, e pela vida da Comunhão Anglicana.

    Informações sobre a Comissão e o andamento dos trabalhos podem ser encontrados no seguinte link: http://www.anglicancommunion.org/ecumenical/comissions/primates/index.cfm, ou contatando o Secretário da Comissão, o Rev. Côn. Gregory Cameron, pelo email: commission.secretary@anglicancommunion.org.

    Para informações aos Meios de Comunicação:

    Rev. Brian Parker – Assessor de Imprensa do Arcebispo de Armagh
    Tel: + 44 (0) 28 90232909
    Celular: + 44 (0) 7775 927807
    E-mail: press@ireland.anglican.org

    Questões-chave da Comissão:

    Levando-se em conta o trabalho sobre questões da Comunhão produzidas pelas Conferências de Lambeth de 1988 e 1998, e as contribuições dos Encontros dos Primazes desde 2000:

    1. Quais são as implicações (a) legais e (b) teológicas acerca da decisão da ECUSA em apontar um sacerdote comprometido com uma relação com uma pessoa do mesmo sexo, como um de seus bispos? (Veja Resolução I.10, da Conferência de Lambeth de 1998).

    2. Quais são as implicações (a) legais e (b) teológicas da decisão da Diocese de New Westminster em autorizar bênção de união para pessoas do mesmo sexo?

    3. Quais são os entendimentos canônicos de (a) Comunhão, (b) Comunhão abalada e (c) Rompimento de Comunhão (O que é autonomia e como isto está relacionado com a Comunhão)?

    4. Como é que as províncias podem se relacionar, umas com as outras, em situações onde as autoridades eclesiásticas não se sentem capazes de manter um completo relacionamento com outra parte da Comunhão Anglicana?

    5. Que soluções práticas podem contribuir para manter um alto grau de Comunhão possível, em circunstâncias resultantes dessas duas decisões, sem as igrejas individuais envolvidas? (ex (alternativa): supervisão episcopal quando a Comunhão plena é ameaçada).

    6. Que soluções práticas podem manter um alto grau de Comunhão possível, em circunstâncias resultantes dessas duas decisões, entre as Igrejas da Comunhão Anglicana?
    (ex (alternativa): supervisão episcopal quando a Comunhão plena é ameaçada).

    7. Sob (a) que circunstâncias, (b) condições, e (c) por que meios, seria apropriado ao Arcebispo de Cantuária exercer um ministério pastoral extraordinário de cuidado, apoio e reconciliação, com atenção para os assuntos internos da Província, para manter a Comunhão entre uma província em questão e o resto da Comunhão Anglicana? (Veja Resolução IV.13, da Conferência de Lambeth).

    Para ler a notícia original, acesse: http://www.anglicancommunion.org/acns/articles/37/00/acns3713.cfm

    Fonte: Serviço de Notícias da Comunhão Anglicana (ACNS) – Boletim 3713

    -

    Christina Takatsu Winnischofer

    Secretária Geral da IEAB

     
  • SNIEAB 1:47 on 16/12/2003 Permalink | Responder
    Tags: , , ,   

    Natal: Luz, Alegria e Presentes 

    Vivemos o Advento/Natal. Tempo de preparação e espera. Como cristãos e cristãs com uma fé enraizada no Cristo Ressuscitado, a nossa preparação e a nossa espera no Advento se convertem numa alegria constante e profunda porque nosso Senhor, o Emanuel, se fez carne e decidiu habitar entre nós.

    A espera do Santo Natal se transforma na espera de um ser querido. Toda a nossa preparação externa – árvores, luzes, sinos, música – se convertem no preâmbulo onde preparamos os nossos lares para receber alguém que transformou de maneira muito especial as nossas vidas. A nossa preparação interior – a alegria, a oração, a meditação da Escritura, o silêncio, o louvor – abrigam em nosso coração uma mistura de sentimentos onde muitas vezes voltamos a viver com o coração de uma criança.
    Eis o Advento e Natal; a espera gostosa do dia em que celebramos, mais uma vez, a chegada do ser querido mais importante de nossa vida, a chegada do Deus-Menino vestido com roupas humanas, trazendo paz e esperança. O nosso coração se enche de alegria porque Deus, o nosso Deus, está no meio de nós. Mas esta presença nos convoca a uma mudança. É impossível anunciar o Reino de Deus e viver a alegria do encontro sem que ela tenha conseqüências para todos. Por isto, as festas deste tempo nos falam de arrependimento, partilha, serviço, justiça, misericórdia e compreensão.

    Neste Natal, a nossa obrigação é a de transformarmo-nos em luz. Que a luz do presépio penetre intimamente dentro de nós, e transforme-nos, faça-nos transparentes. E que todos possam contemplá-la em nós e fiquem ofuscados, que sintam todo o encanto e resistam à tentação de cerrar os olhos.

    Neste Natal, a nossa obrigação é a de transformarmo-nos em alegria, não a de sermos severos, raivosos, intransigentes e macabros guardiães da verdade. Não temos o encargo de nos transformarmo-nos em carcereiros, policiais, mas sim de testemunhas da alegria, a fazer com que todos compreendam que a mensagem de Cristo é uma mensagem de salvação, e não de condenação. Mensagem de libertação, não de opressão. Mensagem de alegria e não de tristeza.
    Neste Natal, temos a obrigação de nos tornarmos em presentes. No dia de Natal, é costume dar presentes: montanhas de presentes, toneladas de papel colorido, quilômetros de barbantes dourados, cartões de Boas Festas pequenos, grandes ou musicados. Acreditamos que, desta maneira, pagamos as dívidas de gratidão que temos com as outras pessoas. Assim é muito fácil, é muito cômodo. Como cristãos, temos a obrigação, não de dar presentes, mas de nos transformarmos em presentes. Conseguir que a nossa vida seja um dom sem reservas, para todos. Porque todas as pessoas são credoras nossas. Porque cada um de nós é devedor com relação aos outros.

    Temos de desmontar o nosso Natal rico, mastodôntico e engenhoso, para vivermos o Natal autêntico, para enriquecermo-nos com aquela pobreza e simplicidade da gruta de Belém.

    No Natal, temos a certeza de que não estamos sozinhos. Que a luz regeneradora da Graça vença toda a treva, aumente a nossa fé e crie em nós a corajosa disposição de trabalharmos juntos, como sinal da esperança salvadora que vamos celebrar neste Santo Natal.

    Que onde houver irmãos e irmãs sofredoras, direitos negados, filhos e filhas de Deus excluídos, o Senhor nos auxilie a sermos testemunhas do seu amor, da sua justiça e da sua paz. Um feliz e abençoado Natal a todos!

    Imagem: Presépio esculpido por um membro de uma tribo da floresta amazônica. Fonte: http://www.museodelpresepio.com

    -

    Revmo. Orlando Santos de Oliveira

    Bispo Primaz da IEAB

     
  • SNIEAB 1:44 on 02/12/2003 Permalink | Responder
    Tags: , ,   

    Pronunciamento da Câmara dos Bispos 

    Nós, bispos da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, reunidos em Porto Alegre, nos dias 24 e 25 de novembro de 2003, sob a presidência de Dom Orlando Santos de Oliveira, Bispo Primaz, num clima de oração e comunhão fraterna, buscamos refletir sobre os desafios de nossa unidade como Igreja no Brasil e discutimos o tema que tem predominado na Comunhão Anglicana na atualidade, ou seja, os acontecimentos na Diocese de New Westminster, no Canadá, e na Igreja Episcopal dos Estados Unidos – ECUSA.

    Os bispos reunidos: Dom Orlando, Dom Prado, Dom Almir, Dom Jubal, Dom Robinson, Dom Celso, Dom Naudal, Dom Sebastião, Dom Filafelfo, Dom Ito, Dom Maurício, decidiram endossar, assumir e encaminhar à Igreja a mensagem pastoral distribuída pelo Bispo Primaz em 13 de novembro de 2003, como sendo a carta dos bispos para esse momento histórico que vivemos na Comunhão Anglicana e na Igreja Episcopal Anglicana do Brasil. E o Bispo Primaz nomeará uma comissão composta por dois bispos, três clérigos e três leigos, para que, no período de doze meses, a contar da data da nomeação, possa relatar à Câmara dos Bispos o seu trabalho. Esta comissão terá uma grande responsabilidade. Oramos para que ela possa produzir um relatório que nos ajude, conforme desejo expresso por todos os Primazes reunidos em Lambeth, a enfrentar os desafios de nossas opiniões diversas, buscando manter a unidade essencial de nossa amada IEAB, e as maneiras de nossa relação com o resto da Comunhão Anglicana. A comissão tem uma tarefa árdua e espinhosa, rogamos que toda a Igreja ore em seu favor.

    Outrossim, apelamos a todos que aguardem o relatório final dessa Comissão, antes de tomarem qualquer decisão precipitada, que afete as nossas relações de comunhão interdiocesana e com as outras Províncias da Comunhão Anglicana. Tal atitude tornará mais difícil o trabalho da comissão e restringirá as possibilidades de alternativas a serem propostas para o nosso futuro.

    ” … Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados, esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz” – Efésios 4: 1, 3.

    Porto Alegre, 02 de dezembro de 2003.

    Dom Orlando Santos de Oliveira – Primaz
    Dom Luiz Osório Pires Prado
    Dom Almir dos Santos
    Dom Jubal Pereira Neves
    Dom Edward Robinson de Barros Cavalcanti
    Dom Celso Franco de Oliveira
    Dom Naudal Alves Gomes
    Dom Sebastião Armando Gameleira Soares
    Dom Filadelfo de Oliveira Neto
    Dom Hiroshi Ito
    Dom Maurício José Araújo de Andrade

    -

    Christina Takatsu Winnischofer

    Secretária Geral da IEAB

     
c
escrever um novo post
j
próximo post/próximo comentário
k
post anterior/comentário anterior
r
responder
e
editar
o
mostrar/esconder comentários
t
topo
l
go to login
h
show/hide help
esc
cancelar