Os Dois Primeiros Dias da 74ª Convenção Geral da ECUSA 

O Bispo Primaz Dom Orlando Oliveira está participando da Convenção Geral da ECUSA deste ano, e nos brinda com um breve relato dos principais acontecimentos dos dois primeiros dias de trabalho de encontro, que iniciou no dia 29 de junho p.p. Se for possível, ele nos enviará mais boletins para o Portal da IEAB.

Sob o tema geral “Comprometidos com a Missão de Deus” , iniciou, em Minneapolis, Estado de Minnesota, a 74ª Convenção Geral da Igreja Episcopal dos Estados Unidos (ECUSA), reunião que equivale ao nosso Sínodo Provincial. São cerca de 1000 (mil) delegados entre bispos, clérigos e leigos dividido em duas câmaras. Câmara dos Bispos e Câmara dos Deputados (clérigos e leigos), que funcionam separadas todo o tempo. As resoluções que necessitam aprovação das duas passam de uma para a outra.

No dia 29, no Culto de Abertura, no Centro de Convenções da cidade, o Bispo Presidente Frank Griswold, em seu sermão, abordou o tema da Peregrinação da Igreja (que implica em receber, arrepender-se, reconciliar-se e restaurar-se), conclamou a todos a meditar sobre todas as coisas que nos impedem de viver a missão de Deus, por meio do arrependimento, da reconciliação, e restaurar todas as coisas em Cristo.

Na sessão de abertura da Câmara dos Bispos, o Revmo. Bispo Presidente, bem como o Bispo de Minnesota, acolheu a todos, e afirmou que era seu desejo que esses 9 dias de reunião fossem marcados por uma experiência da presença do Espírito Santo, na qual todos pudessem comungar, juntos, em diálogo, oração, celebração e alegria.

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, como convidada, está presente por meio de Dom Orlando Santos de Oliveira, bispo primaz, e sua esposa, Vera Lucia S. de Oliveira; por Dom Jubal e Eleci Neves, da Diocese Sul-Ocidental; por Dom Naudal e Carmen Regina Gomes, da Diocese de Curitiba; por Dom Filadelfo Oliveira Neto, Sufragâneo da Diocese do Recife, e por Rev. Côn. Mauricio (bispo eleito) e Sandra Andrade, pela Diocese Anglicana de Brasília. Todos fomos formal e oficialmente acolhidos na sessão de abertura da Câmara dos Bispos. Para as esposas dos bispos, há uma programação especial composta de palestras, debates, visitas e partilha.

Na noite do dia 30, aconteceu um painel promovido pelo programa da igreja americana chamado Jubilee, que trabalha com as questões de apoio à justiça e promoção humana. Esse programa cria redes de apoio mútuo e partilha de informações, e estimula a formação de Centros de Jubilee. Dom Jubal Neves, Bispo da Sul-Ocidental, foi painelista e expôs a experiência dos programas existentes em sua diocese.

As plenárias dos dois primeiros dias ficaram mais ocupadas em avaliar os relatórios das várias comissões, e com as nomeações para cargos e comissões.

Na estrutura da igreja americana, os bispos eleitos no ano de realização da Convenção Geral têm sua confirmação de eleição, por parte dos bispos, na própria convenção. São votos pessoais e individuais, por escrito . Não é uma decisão plenária, mas como na IEAB, com a concordância da maioria dos bispos da Câmara. Este ano a convenção terá de aprovar a eleição de 10 novos bispos, sendo que toda a polêmica que ronda os bastidores da Convenção é a ratificação da eleição do Rev. Gene Robinson, para a Diocese de New Hampshire, por causa de sua orientação sexual. Nota-se uma exploração muito grande de parte da imprensa nos USA, tornando esse tema o mais importante da reunião. O que na realidade não é. Há inúmeros temas e assuntos mais relevantes do que essa decisão.

Podemos citar como exemplo o ótimo painel coordenado pelo Fórum para Reconciliação Global do Bispo Presidente, que contou com a presença do Bispo Presidente, do Arcebispo da África do Sul, Njongonkulu Ndungane, e de um economista que trabalha como consultor da ONU. Foi uma exposição muito clara e crítica sobre a globalização econômica e a miséria do terceiro mundo, e o que isto representa de desafios para a Igreja. Uma forte crítica à política econômica e social dos países ricos, que aumentam o abismo entre os países pobres, e as conseqüências da miséria na África, América Latina e em outras partes do mundo. O bispo Presidente fez referências críticas muito claras a respeito da política interna e externa do Presidente Bush. Em resposta à apresentação, três jovens responderam mostrando os desafios para a igreja em responder a essas questões com urgência.

Uma das 300 propostas que deverão ser examinadas trata da questão de um novo modelo de missão, que mostra uma preocupação de que o Evangelho seja proclamado de forma relevante para os jovens e para as várias culturas de nosso tempo.

“A missão da igreja tem de começar pela inclusividade”, afirma a justificativa para sua aprovação. Também já foi aprovada na Câmara dos Deputados (clérigos e leigos), a inclusão na 9ª Província da ECUSA, de duas dioceses extraprovinciais: as Dioceses de Porto Rico e da Venezuela. A nona província, dentro da ECUSA, constitui-se de países de fala hispânica. Existem muitas propostas na área de liturgia, que mostram uma crescente inculturação da mesma na ECUSA. Inculturação que transparece na música e nos ritos das liturgias diárias, cujo textos estão em inglês e espanhol, e os celebrantes também se repartem em espanhol e inglês.

Por Dom Orlando Santos de Oliveira, Primaz da IEAB, da 74ª Convenção Geral da ECUSA, em Minneapolis, MN.

A cobertura diária sobre a Convenção Geral você encontra no site http://www.ecusa.anglican.org.

-

Christina Takatsu Winnischofer

Secretária Geral da IEAB